Menu fechado

Seminário de Ética Profissional continua hoje

A padronização dos processos éticos encaminhados ao Confea é um dos itens mais importantes na opinião dos coordenadores e assistentes técnicos das Comissões de Ética dos Creas, reunidos em Brasília para participar – ontem e hoje – do Seminário Nacional de Ética Profissional de 2013.  A palestra de abertura dos trabalhos foi feita pelo procurador jurídico do Confea, Bruno Chacon, sobre prescrição de processos éticos.

“O evento é muito importante para que haja uniformização de procedimentos nas comissões. Acordamos que o grupo pontuaria as dúvidas legais para que a Proj (Procuradoria Jurídica) emita parecer, no prazo de dez dias, para dar mais segurança jurídica aos Creas”, disse Chacon.

Ingrid Cristie, coordenadora nacional das Comissões de Ética dos Regionais, agradeceu o empenho de todos em participar do Seminário, e acrescentou: “Isso só fortalece os profissionais ligados ao Sistema Confea/Crea e Mútua, e mostra a atualidade do tema”.

Sob a coordenação de Marcos Vinícius Santiago Silva, conselheiro federal e coordenador da Comissão de Ética e Exercício Profissional, os trabalhos do Seminário – incluído no calendário oficial do Confea – vai melhorar o encaminhamento dos processos éticos.  Para ele, o evento “demonstra a atenção que o Sistema Confea/Crea dedica à ética, que deve pautar a vida pessoal e profissional de todos os cidadãos”. 

Durante a tarde, foi a vez da apresentação de Márcia Coutinho, advogada do Crea de Santa Catarina que destacou a importância do manual de procedimentos para a condução dos processos de ética profissional. “Somente observando o manual é que poderemos conduzir os processos éticos de modo correto, sem vícios. Uma denúncia, por exemplo, precisa ser bem documentada e fundamentada, os indícios apontados precisam ser observados e os dois lados devem ser ouvidos. Os prazos também precisam ser cumpridos”, recomendou. De acordo com a advogada, o cumprimento dessas orientações evita, por exemplo, que um processo seja arquivado por falta de documentação. “O Crea trabalha em prol da sociedade. Por isso, os processos éticos devem ser fundamentados corretamente e o mais breve possível”, complementou. 

Hoje os coordenadores e assistentes se dividem em grupos de trabalho para consolidar as propostas de procedimentos a serem sistematizadas posteriormente.

Fonte: Confea

Post relacionado

FONTES