Lei Kiss entra em vigor

Projeto técnico de combate a incêndios é responsabilidade de Engenheiro

Agora é pra valer: no final de setembro entra em vigor a Lei nº 13.425/2017, popularmente conhecida como “Lei Kiss” por ter sido criada em função da tragédia que vitimou centenas de pessoas em um incêndio – ocorrido em janeiro de 2013 – na boate gaúcha de mesmo nome.

Sancionada em março deste ano pela Presidência da República, a nova lei “estabelece diretrizes gerais sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres em estabelecimentos, edificações e áreas de reunião de público”.

A Lei nº 13.425, de 30 de março de 2017, destaca, em seu artigo 21, que “os órgãos de fiscalização do exercício das profissões de engenheiro e arquiteto (…) exigirão a apresentação dos projetos técnicos elaborados pelos profissionais, devidamente aprovados pelo poder público municipal”. Nos projetos técnicos citados, incluem-se “cálculo estrutural, instalações prediais e urbanização”.

Já seu artigo 8º estabelece que “os cursos de graduação em Engenharia e Arquitetura (…) bem como os cursos de tecnologia e de ensino médio correlatos, incluirão nas disciplinas ministradas conteúdo relativo à prevenção e ao combate a incêndio e a desastres”.

Para atender às recomendações da lei, o Crea-SP prepara-se para visitar prefeituras e instituições de ensino, reforçando um trabalho de articulação com órgãos públicos em que o destaque é a fiscalização orientativa.

“A lei é uma vitória da área tecnológica, conferindo-lhe a responsabilidade legal para exercer com excelência seu trabalho de defesa da sociedade”, destaca o Vice-Presidente no exercício da Presidência do Crea-SP, Eng. Eletric. e Eng. Seg. Trab. Edson Navarro.

Clique aqui para ver a íntegra da Lei nº 13.425/2017.

 

Fonte: Comunicação do Crea-SP

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.