Engenheiros eletricistas: Brasil conta com força de trabalho de 100 mil profissionais

Com mais de 100 mil profissionais registrados nos 27 Creas do país, os Engenheiros Eletricistas formam uma importante categoria, cuja atuação permeia por diversas áreas. Desde o segmento de automação, telecomunicações, construção civil e, claro, a produção e a distribuição de energia, são setores que contam com o trabalho do engenheiro eletricista.

Representando esses profissionais no Plenário do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), atualmente quatro profissionais com a titulação fazem parte do Colegiado: Carlos Batista das Neves (TO), Inarê Roberto Rodrigues Poeta e Silva (RO), Lúcio Antônio Ivar do Sul (DF) e Edson Alves Delgado (MS).

No Plenário do Confea, eles desempenham as funções de apreciação e de decisão sobre projetos de resolução destinados a regulamentar e executar a lei e sobre projetos de decisão normativa destinados a fixar entendimentos ou a determinar procedimentos para unidade de ação do Sistema Confea/Crea. O Plenário regulamenta, ainda, questões de integração com o Estado e a sociedade, de habilitação e fiscalização profissional e de controle econômico-financeiro, entre várias outras competências.

Conselheiro federal Inarê Poeta e Silva

Já na área da Engenharia Elétrica, os profissionais atuam em diversos segmentos. O conselheiro Inarê Poeta e Silva por dez anos desempenhou suas atividades nos setores de telecomunicações e energia e, atualmente, é acadêmico na Universidade Federal de Rondônia, no Departamento de Engenharia Elétrica.

Um dos temas da área que contribuiu, em conjunto com os demais conselheiros no Confea, foi a decisão sobre a atribuição da geração de energia fotovoltaica e da execução do serviço de Sistema Contra Descargas Atmosféricas (SPDA) que agora são de responsabilidade da Câmara de Engenharia Elétrica. Segundo Poeta e Silva este foi um assunto polêmico, pois envolvia questões de sombreamento com outras categorias. “No Confea, trabalhamos pela Engenharia nacional, mas, como representantes de uma determinada categoria, sempre ficamos atentos aos assuntos relativos à profissão”, comenta.

Conselheiro federal Lúcio Ivar do Sul

“A Engenharia Elétrica é uma profissão muito importante e valiosa. Temos, como integrantes dessa categoria, uma enorme responsabilidade, tanto na parte de geração de energia para o desenvolvimento do país, quanto de telecomunicações, que hoje está ligada a tudo. Não fazemos nada sem a energia. A medicina e a lavoura, por exemplo, dependem muito da energia, ou seja, tudo passa pelas mãos do Engenheiro Eletricista”, assinala o conselheiro.

Formado pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), Lúcio Antonio Ivar do Sul tem ampla experiência profissional mercadológica e, ainda, acadêmica. Para o conselheiro representante do DF, é mais que uma satisfação poder transmitir uma mensagem aos engenheiros eletricistas, neste dia, em alusão a esses relevantes profissionais. “Dia 23 é um dia muito importante em que podemos, além de comemorar, também refletir. Meu recado, que julgo ser de extrema importância, diz respeito ao mercado e, na verdade, ele pode ser aplicado a todos os profissionais do Sistema. O mercado só quer ‘Pelé’, não quer profissional de segunda categoria. É preciso ser competente para se estabelecer. Buscar diuturnamente o conhecimento e o aperfeiçoamento”, ressaltou.

Ivar do Sul ainda lembrou da importante iniciativa do Sistema Confea/Crea e Mútua que divulga trabalhos acadêmicos, o Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia (Contecc), que contou com sua coordenação nas duas últimas edições. “Quero agradecer aos Creas e à Mútua, como coordenador do Contecc, pois, juntos, trabalhamos para a sociedade e demos muitas oportunidades para estudantes e profissionais, incluindo os da Engenharia Elétrica”, destacou.

 

Fonte e fotos: Gecom/Mútua

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.