Mútua - Displaying items by tag: confea

Em Foz do Iguaçu (PR), depois da entrega da Medalha do Mérito e da inscrição no Livro do Mérito, durante a solenidade de abertura da 73ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea), os 24 homenageados com as honrarias do Sistema Confea/Crea em 2016 participaram, na noite de 30 de agosto, de um jantar que reuniu as principais lideranças da área tecnológica nacional.

Durante o jantar, a exibição do vídeo Láurea ao Mérito, que contém entrevistas com os homenageados e/ou seus representantes - caso das homenagens in memoriam -,  foi acompanhada de aplausos desde o início. Por sua vez, o livro Láurea ao Mérito - que registra a vida dos que tiveram sua atuação profissional reconhecida como fundamental para o desenvolvimento tecnológico brasileiro - foi autografado pelos 13 homenageados em vida e por familiares dos 11 já falecidos, e também pelos conselheiros que compuseram a Comissão do Mérito, do Confea, responsável pela seleção final dos indicados.

Leia o perfil de cada laureado com a Medalha do Mérito
Leia o perfil de cada laureado com a inscrição no Livro do Mérito

Na manhã de 6 de setembro, vídeo e livro foram entregues à Sônia Spínola, bibliotecária do Confea, que, ao lado de Socorro Ferro, cuida da preservação da memória do Sistema Confea/Crea.
 
Documentário com entrevistas com homenageados e familiares pode ser acessado no Youtube.

 

Fonte: Confea

Encerrou-se na tarde de hoje o 9º Congresso Nacional de Profissionais. Na tarde de sexta-feira e no sábado pela manhã, os 594 delegados se dividiram em oito grupos de trabalhos para debater 83 propostass para o Sistema Confea/Crea e Mútua. No sábado à tarde, a plenária final encerrou os trabalhos, finalizando 54 propostas aprovadas . Confira avaliação dos participantes:

Eng. civ. Daybson Dias de Sousa (Crea-TO)
"Os debates foram  interessantes com profundidade, caloroso, tivemos oportunidade de aprofundar questões. A proposta mais importante foi a que trata do exame de proficiência onde os oito grupos de trabalho,  unânimemente ,aprovaram a proposição, pois entenderam que é uma demanda da sociedade que exige os melhores profissionais."

Eng. civ. Quirino Rabelo (Crea-BA)
“O Congresso foi uma oportunidade de os profissionais do interior participarem dos debates em peso. Destaco a proposta sobre engenharia florestal porque apesar de ser civil me solidarizo com a causa deles para pertencer à modalidade correta.”

Eng. agr. Mabel Moreira(Crea-SP)
"É o primeiro CNP que participo como delegada sem mandato. No início, os debates começaram tensos, mas depois parecia que os grupos de trabalho compartilhavam de uma comunhão de ideias em que os pensamentos estavam alinhados, independente da formação profissional e do estado."

Eng. ftal. Antonia Lopes (Crea-RR)
"Os debates foram produtivos, pois tivemos a oportunidade de debater propostas de todas as categorias, além da oportunidade de interagir com outras realidades profissionais. E temos motivo para comemorar a alteração do grupo da Agronomia para a Engenharia, pois era uma demanda antiga florestal, que neste ano começou nos Ceps até vir para o Nacional diante de uma mobilização da categoria."

Eng. agr. Antonio Albério (Crea-PA)
"O CNP é uma oportunidade de expressarmos nosso desejo de alterar a legislação para facilitar o trabalho. Poderíamos ter otimizado o tempo se não houvesse a repetição de tantas propostas já aprovadas nos Congressos anteriores. Destacaria a proposta que trata da  a Resolução 1.073 cuja suspensão foi rejeitada quase que majoritariamente. Como integrante da Conp é uma grande alívio."

Eng. ftal. Felipe Rabelo (Crea-PE)
“Acredito que as contribuições buscam unificar as engenharias, que têm estado muito separadas. E precisamos fortalecer a categoria. Os debates aqui foram produtivos e um ponto interessante discutido e que não houve aceitação por parte dos participantes foi a proposta que tinha o objetivo de reduzir o número de representantes das instituições de ensino dentro dos Creas. Ela foi rejeitada e isso demonstra um avanço pois evita o enfraquecimento dessas instituições, que são consideradas o nascedouro das profissões.”

Eng. agr. Janaína Somensi (Crea-MS)
“Esta primeira etapa do CNP foi produtiva e a expectativa é de consolidar na segunda fase as contribuições que atendam aos anseios dos profissionais. Destaco a proposta 22 que trata da participação do Sistema na autorização e reconhecimento de cursos junto ao Ministério da Educação. É fundamental essa relação no processo de criação, autorização e reconhecimento de novos cursos.”

Téc. eletr.  Alisson Teles (Crea-BA)
“É a primeira vez que participo do CNP e, para mim, foi importante discutir o tema ‘valorização profissional’. Os debates que trataram disso buscam enriquecer as profissões e a categoria. E o mais interessante é que as proposições que abordaram esse tema foram consenso entre os participantes.”

Eng. naval Cladice Diniz (Crea-RJ)
“Dois pontos foram fundamentais, para mim, neste debate da primeira etapa do CNP. O primeiro tratou da ‘criação de políticas de incentivo à participação feminina no Sistema Confea/Crea e Mútua’. A aprovação desse tema vai ao encontro do momento atual da sociedade, demonstra que estamos afinados com as demandas da sociedade. O outro ponto discutido foi a viabilidade da regulamentação do ensino à distância, que é uma necessidade em nosso país em que as pessoas têm dificuldades de frequentar cursos presenciais.”

 

 

Fonte: Confea

Published in Mútua

O presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), eng. civ. José Tadeu, participou nessa quarta-feira (24) de audiência na Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional para debater o Projeto de Lei do Senado (PLS) 559/2013, que moderniza a Lei de Licitações e Contratos (Lei 8.666/1993). A Comissão é a responsável pela Agenda Brasil – pauta apresentada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, com o objetivo de incentivar a retomada do crescimento econômico do país. O colegiado é presidido pelo senador Otto Alencar (PSD-BA).

O relator do projeto, senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), deve apresentar seu substitutivo à matéria na próxima semana. Durante a audiência, Bezerra lembrou que o prazo de emendas ao projeto vai até esta sexta-feira (26) e disse estar aberto a contribuições. Ele ressaltou que o projeto foi avaliado por uma comissão especial do Senado presidida e que realizou mais de 30 audiências públicas.

Para o senador Roberto Muniz (PP-BA), é preciso diferenciar a licitação para obras de engenharia do restante de produtos e serviços. Ele acredita ser possível votar o projeto, mas observa que precisa haver uma diferenciação. “A gente não pode ter uma lei que abarque uma compra de lápis na escola e a construção de uma hidrelétrica. A gente começa a tentar construir e acaba ficando quase um 'Frankenstein”,  disse

Para Bezerra, a audiência trouxe uma grande contribuição ao tornar explícita no texto a questão da matriz de risco, ou seja, os riscos futuros inerentes ao contrato, elaborados pela administração pública. O senador demonstrou estar aberto a modificações no projeto em relação à questão da matriz de riscos. “Acho que essa é uma grande colaboração e quero desde já manifestar a minha sensibilidade em relação a essa sugestão”, disse Bezerra.

Além do presidente do Confea, participaram do debate: o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, José Carlos Rodrigues Martins, o gestor público Marcelo Bruto Correia da Costa, o presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), João Borba Filho, e o presidente da Federação de Seguros Gerais, João Francisco Borges da Costa.

 

Fonte: Confea

Acompanhe ao vivo

Se você não conseguir visualizar, faça o download e instale o software Microsoft SilverLight, que foi recentemente atualizado - verifique se a sua versão é a atual.

 

* O link aponta para o download do streaming de vídeo. Depois disso, será aberta uma janela do Media Player.

 

Fonte: Confea

Acompanhe ao vivo a 3ª Sessão Plenária Extraordinária de 2016.

Se você não conseguir visualizar, faça o download e instale o software Microsoft Silverlight, que foi recentemente atualizado - verifique se a sua versão é a atual. 
* O link aponta para o download do streaming de vídeo. Depois disso, será aberta uma janela do Media Player.

 

Fonte: Confea

A Comissão Temática Criatividade e Inovação Tecnológica realiza o I Seminário Confea de Inovação Tecnologia na Engenharia, em São José dos Campos (SP), nos dias 23 e 24 de junho. 

Resultado de parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a iniciativa cumpre a proposta de conhecer o estágio atual de desenvolvimento tecnológico de instituições nacionais, como o próprio ITA, o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

De acordo com o coordenador da Comissão Temática, conselheiro  Antônio Roberto Martins, o evento  tem como objetivo provocar os profissionais para inovação. “Ao realizar esse evento o Confea marca posição no cenário nacional, pois é a inovação e a criatividade  que alavancam o desenvolvimento”. Além do evento, a comissão deverá produzir uma cartilha impressa sobre criatividade e inovação tecnológica a ser oferecida a todos os profissionais do Sistema Confea/Crea e Mútua.

Com a presença do presidente do Confea, dos conselheiros federais membros da comissão, além de profissionais da área tecnológica de São José dos Campos, serão promovidos painéis de debate sobre engenharia de inovação, produtividade, propriedade intelectual e procedimentos para criar parcerias. 
O evento funcionará como um preparatório para a 73ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea), onde haverá um painel com a mesma temática.  A Soea será realizada de 29 de agosto a 01 de setembro em Foz do Iguaçu (PR).

A Comissão Temática Criatividade e Inovação Tecnológica tem a proposta de fomentar o desenvolvimento de Tecnologias Inovadoras Nacionais, por meio de iniciativas que visem à aproximação entre empresas e profissionais de tecnologias. A Comissão foi instituída pela Decisão Plenária nº 1520/2015.

 

Fonte: Confea

A troca de informações, o questionamento, sugestões e debate marcaram até o último minuto a reunião que, durante três dias, preparou lideranças da área tecnológica para a conferência sobre Água e Energia – novas abordagens sustentáveis, que o Sistema Confea/Crea realiza em julho.

Uma mesa formada pelos conselheiros federais Marcos Motta, Paulo Laércio, os palestrantes Augusto José Pereira Filho, Hélio Dias e Paulo Carvalho, comandou a última mesa-redonda programada.

No encerramento, no final da tarde de sexta-feira (6), José Tadeu da Silva, presidente do Confea, disse que “a reunião marca nova fase para o Conselho, diante do momento de dificuldades que o país atravessa”. Para ele, “é hora de união para colocar engenheiros na discussão e elaboração de políticas públicas, a fim de ajudar o país a se desenvolver”. Ele lembrou que nos países desenvolvidos, engenheiros compõem 70% das equipes que definem os programas a serem incrementados.

José Tadeu também defendeu mais investimentos em ensino e pesquisa, o diálogo com academia e setor empresarial e criticou o pregão eletrônico e o menor preço para obras de engenharia. 

Daniel Salati, conselheiro federal que coordenou os trabalhos da reunião, disse que  objetivo do evento foi alcançado: “estamos formando massa crítica para a conferência de julho”. Ele aproveitou para divulgar a ideia de realizar eventos semelhantes nos Creas com a participação de profissionais da própria região: “Temos profissionais de excelente qualidade país afora e temos que aprender com eles e dar espaço para que disseminem seus conhecimentos”.

 

Fonte: Confea

Na manhã desta quinta-feira (5), o físico alemão e professor da Universidade de Michigan, Wolfgang Bauer, palestrou sobre “Energia para a economia mundial no século 21: problemas e oportunidades”, para lideranças do Sistema Confea/Crea que se preparam para a conferência internacional “Água e energia – novas abordagens sustentáveis“, que o Confea realiza em julho próximo.

Segundo Bauer, “80% da energia consumida no planeta vem de combustíveis fósseis, que não são infinitos, geram dióxido de carbono e consequentemente o aquecimento global, que não é positivo para nada e nem ninguém. O desafio é encontrar fontes alternativas para alterar essa realidade por meio da energia eólica, hídrica, térmica, solar, e de biocombustíveis”.

Para ele, falta vontade política dos governantes e administradores de todos os países para mudar o modelo atual. Especialmente, porque exige mudanças de ordem econômica e social. “O que falta, depois de 100 anos em que se estuda os efeitos colaterais ambientais a partir da revolução industrial, é vontade política de políticos, administradores e governantes de todos os países, cada um a seu grau e maneira”, afirmou.

A reunião preparatória – aberta na quarta-feira (4) à noite, em cerimônia presidida pelo presidente do Confea, José Tadeu da Silva – acontece no Brasília Imperial Hotel (SHS), e além de Bauer, como primeiro palestrante, teve ainda a participação de Paulo Ferreira, secretário nacional de Saneamento Ambiental, do Ministério das Cidades, falando sobre o “Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento”; José Antônio da Silva, da Universidade Federal de São João Del-Rei, que tratou de  “Energias Alternativas e Renováveis”, e o professor Ivanildo Hespanhol, diretor do Centro Internacional de Referência em Reúso de Água, da USP, que falou de “Conservação e Reúso de Água como instrumentos de gestão”.

 

Amanhã, dia 6, as palestras “Soluções em Eficiência Energética e Hídrica”, com o tecnólogo Paulo Carvalho, mestrando em engenharia civil; “Panorama Atual do Setor Elétrico”, com Delson Amador, que trata de Assuntos Estratégicos da Secretaria da Agricultura e Abastecimento de São Paulo e “Meteorologia e Climatologia na Gestão Hídrica, Energética e Ambiental”, com Augusto José Pereira Filho, da USP, alimentam a programação, que começa às 09h. À tarde, “Água, Energia e Clima: problemas e desafios da divulgação científica” é tema para Hélio Dias, presidente do Instituto para Valorização da Educação e da Pesquisa. Uma mesa-redonda com palestrantes e públicos encerra a programação do evento.

Da reunião preparatória, participam o presidente do Conselho Federal, José Tadeu da Silva, presidentes dos conselhos regionais, conselheiros federais e regionais e demais lideranças do Sistema Confea/Crea, representantes de entidades como a Febrae (Federação Brasileira de Associações de Engenheiros) e da Upadi (União Pan-americana de Associações de Engenheiros).

 

Fonte: Confea

Na última sexta-feira (29), o presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), eng. civ. José Tadeu, participou de audiência pública sobre o Projeto de Lei (PL 2245/07), que regulamenta a profissão de tecnólogo.

Durante entrevista ao jornal Bom Dia Sergipe, o presidente do Confea defendeu a regulamentação, uma vez que o projeto não cria uma nova profissão, apenas regulamenta uma categoria que já existe. “O Confea já tem a Resolução 313, que regulamenta o exercício dos tecnólogos da área de Engenharia e Agronomia, mas apoia a luta pela aprovação do PL que regulamenta no Brasil o exercício da profissão em todas as atividades e em todas as áreas de atuação”, reforçou José Tadeu.

O presidente do Crea-SE, Arício Resende, também manifestou o apoio à aprovação da proposta que regulamenta a profissão de tecnólogo por entender  que esses profissionais de nível superior precisam ter a segurança jurídica para o exercício da sua profissão. Ele ressaltou que o Sistema Confea/Crea detém a prerrogativa de fiscalizar a profissão e definir, na carteira profissional, o que cada profissional pode fazer, conforme seu conhecimento formal.  “Não há dúvidas de que os tecnólogos passam por esse sistema de formação e adquirem notório conhecimento técnico-científico. Por isso, acredito que esta regulamentação vai mostrar a importância dos tecnólogos para o País”, disse ele.

Sobre o projeto de lei
O Projeto de Lei, do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), está parado na Câmara por conta de dois recursos apresentados pelos deputados Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Sandro Alex (PPS-PR). O presidente da Federação Nacional de Tecnólogos, Efraim Geraldo Rodrigues, afirmou que os recursos apresentados são um verdadeiro desserviço não apenas aos tecnólogos, mas também a toda sociedade. “Os cursos de tecnólogos cumprem todos os requisitos exigidos para serem regulamentados. Todos têm base teórica e técnica, impacto socioeconômico reconhecido, e os diplomas são reconhecidos pelo Ministério da Educação. Mesmo assim o estudante se forma, mas encontra dificuldade de inserção no mercado de trabalho”, lamentou Efraim Geraldo ao ressaltar que já procurou os dois deputados, mas ainda não teve resposta quanto à possível retirada dos recursos.

Moção
No final da audiência, a presidente da Comissão de Educação, a deputada estadual Ana Lúcia Menezes (PT-SE), afirmou que vai propor à Assembleia Legislativa de Sergipe que faça uma moção de apelo à presidência da Câmara Federal para destrancar a pauta do PL 2245/2007.  Também afirmou que vai buscar o apoio dos deputados federais que formam a bancada sergipana no sentido de se mobilizarem em defesa da luta pela regularização da profissão do tecnólogo.

 

Fonte: http://www.confea.org.br/

 

Pagina 1 de 44

Publicações populares

Endereço

Mútua SEDE
SCLN 409, Bloco E, Asa Norte, CEP:70857-550, Brasília - DF

Central de Relacionamento Mútua

0800 61 0003, Tel.: (61) 3348-0200

Ouvidoria da Mútua

Acessos do Colaborador

Redes Sociais

Facebook Twitter Youtube

Mútua nos Estados