Com parceria da Mútua e de outras instituições, Seminário internacional sobre acessibilidade e inclusão marca o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

Seminário reuniu cerca de 500 pessoas

A data de hoje, 21 de setembro, é o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, e um importante evento acontece desde essa quarta-feira (20), na capital federal, com o objetivo de viabilizar espaço de discussão acerca das diversas barreiras que comprometem o pleno exercício dos direitos das pessoas com deficiência. O Seminário Internacional Acessibilidade e Inclusão: Expressão da Cidadania é um evento conjunto do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Confea, com o apoio de diversas instituições, entre elas a Mútua.
Na manhã de ontem foi realizada a solenidade de abertura do Seminário, na Escola de Governo do TCU – Instituto Serzedello Corrêa (ISC), com a presença de autoridades do legislativo, do executivo, de entidades de classe e de representantes de empresas privadas. O presidente da Mútua, eng. civil Paulo Roberto de Queiroz Guimarães, que integrou o dispositivo de honra, parabenizou todos os envolvidos na organização do encontro e destacou os esforços da Caixa de Assistência em também prestar serviços aos associados com deficiência. “Foi com esse pensamento (de superação, pela qualidade de vida e inclusão das pessoas com deficiência) e cumprindo o que preconiza a lei que criou a Mútua há 40 anos, que a Diretoria da Instituição lançou recentemente o seu Programa de Inclusão – o PIM”.
Convidando os participantes a visitarem o espaço da Mútua e do Sistema Confea/Crea no evento, Paulo Guimarães explicou que dois parceiros da Caixa de Assistência também estariam presentes: o Instituto HandsFree de Tecnologias Assistivas e o Instituto de Prótese e Órtese (IPO).
Representando o presidente do Confea, eng. agr. Daniel Salati, o conselheiro eng. civil Alessandro Machado, transmitiu o sentimento dos mais de 1,4 milhões de profissionais da área tecnológica brasileira com relação ao evento. “Estamos honrados em colaborar com um sistema unificado de fiscalização da acessibilidade”, comentou.
As considerações iniciais do presidente do TCU, ministro Raimundo Carreiro, foram marcadas pela leitura de um trecho do documento contendo a exposição de motivos do ex-deputado Thales Ramalho, que originou o Decreto nº 93481/86, tido como um marco na luta das pessoas com deficiência. Tal legislação, já ultrapassada, foi revogada por outros dispositivos. Mas a mensagem lida por Carreiro, mostrou-se atemporal. Em um trecho dizia: “a solidariedade social é de todos para com todos”. Listando outros importantes avanços na legislação brasileira, o ministro do TCU citou a importante edição da Lei nº 13146/15, a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), e falou sobre o trabalho do Tribunal na fiscalização dessa área. “Mesmo antes da LBI, o TCU já atuava fortemente nessas questões”, ponderou.
Sérgio Ricardo Caribé, procurador do MPU junto ao TCU e idealizador do Seminário, lembrou que as questões de acessibilidade vão além do atendimento às pessoas com deficiência. “Qualquer um de nós tem a mobilidade reduzida. Quem aqui nunca empurrou um carrinho de bebê, ou saiu do supermercado com os braços cheios de sacolas. Se o piso estiver escorregadio, estamos sem acessibilidade. Nossa população está envelhecendo progressivamente. Se não prepararmos nossa sociedade, sofreremos quando ficarmos idosos”.

Jackson Follmann: convidado especial da Mútua

José André (IPO), Paulo Guimarães (Mútua), Jackson Follmann, Afonso Bernardes (Confea), Marcelo Morais (Mútua) e Sérgio Maymone (HandsFree)

O goleiro da Chapecoense e sobrevivente da tragédia aérea ocorrida no ano passado, Jackson Follmann, prestigiou o Seminário, a convite da Mútua e do Instituto de Prótese e Órtese (IPO). Ele acompanhou parte da abertura solene e, no período da tarde, esteve no espaço da Caixa de Assistência conversando com os participantes. Além de registros fotográficos, muitas pessoas passaram pelo local para cumprimentar o atleta pelo exemplo de vida e superação. Follmann que utiliza uma prótese do IPO, disse que sua adaptação foi mais rápida do que o esperado. “Queria ter minha vida de volta. Andar e fazer todas as atividades do dia a dia. E com a prótese isso foi possível”, afirmou. Perguntado sobre uma mensagem que gostaria de deixar para as pessoas que passam por situações semelhantes a dele, o goleiro disse que o mais importante é dar valor em cada momento da vida.

Sistema Confea/Crea e Mútua lança o Selo Engenharia Acessível
Durante o Seminário, foi lançado pelo Confea, o Selo Engenharia Acessível para certificar – em três níveis diferentes – edifícios e demais construções, após auditoria. Autor do projeto de certificação, o engenheiro Jary Castro, gerente regional do Centro-Oeste no Confea e ex-presidente do Crea-MS, explicou que o selo é fruto de parceria entre o Confea e outros órgãos fiscalizadores, entre eles, o próprio TCU. “Embora o Brasil tenha uma legislação robusta, ainda se tem muito a cumprir. Esse é um passo rumo a um futuro mais justo”, defendeu. O primeiro exemplar do Selo foi concedido ao próprio edifício do Instituto Serzedello Corrêa.

 

Fonte e fotos: Gecom/Mútua

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.