Cenário da Engenharia nacional em foco na abertura do 9º CEP/CE

O 9º Congresso Estadual de Profissionais do Ceará (CEP/CE) aconteceu no último dia 1º, na sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (Crea-CE). Sua conclusão culminou na eleição de 11 delegados do Crea-CE e de entidades de classe para o 9º Congresso Nacional de Profissionais (CNP), que neste ano será realizado em Foz do Iguaçu (PR), de 2 a 3 de setembro. “Vivemos um momento delicado para a Engenharia brasileira. Todas nós estamos acompanhando, de perto, as deliberações do Supremo Tribunal Federal acerca das nossas anuidades e das ARTs (Anotações de Responsabilidade Técnica)”, enfatizou o presidente do Crea-CE em exercício, o geólogo João César de Freitas Pinheiro, ao fazer pronunciamento no início da solenidade. Na ocasião, deu as boas-vindas aos participantes do 9º CEP/CE e desejou a todos debates produtivos e a realização de trabalhos profícuos. João César Pinheiro citou a importância do CEP para promover uma reflexão sobre o quadro atual das engenharias. Quanto à ART, explicou ser a garantia de que a população do País receberá serviços executados por pessoas habilitadas e, portanto, de qualidade e com maior segurança. “Não poderíamos ter sofrido os ataques que sofremos e até chegarmos ao STF”, ponderou. O presidente do Crea-CE em exercício fez questão de agradecer o empenho e apoio da Caixa de Assistência (Mútua) para viabilizar a defesa brilhante, no âmbito jurídico, da manutenção da ART e de outras causas do Sistema Profissional Confea/Creas. “O que permitiu que saíssemos de uma situação periclitante”, citou João César Pinheiro, numa referência à análise, pelo plenário do STF, sobre a exigência da taxa de expedição da ART, com base na Lei 6.994/1982. “Assim, poderemos levar avante nosso ideal de oferecermos bons serviços à comunidade”, acrescentou. Observou, ainda, que “o momento é alvissareiro no Ceará, porque recentemente fomos procurados para viabilizar uma união do Crea com as instituições de ensino a fim de criarmos um fórum com a incumbência de discutir a nossa área de atuação, as demandas da sociedade e as inovações científicas no campo do ensino e da pesquisa nas engenharias”. O presidente do Crea em exercício encerrou sua exposição reiterando que “a crise não é um ponto de derrocada, mas de surgimento de novas ideias”.

Jorge Silveira (primeiro a partir esquerda) à mesa solene de abertura do 9º CEP/CE

O 9º Congresso Estadual de Profissionais do Ceará (CEP/CE) aconteceu no último dia 1º, na sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (Crea-CE). Sua conclusão culminou na eleição de 11 delegados do Crea-CE e de entidades de classe para o 9º Congresso Nacional de Profissionais (CNP), que neste ano será realizado em Foz do Iguaçu (PR), de 2 a 3 de setembro.

“Vivemos um momento delicado para a Engenharia brasileira. Todas nós estamos acompanhando, de perto, as deliberações do Supremo Tribunal Federal acerca das nossas anuidades e das ARTs (Anotações de Responsabilidade Técnica)”, enfatizou o presidente do Crea-CE em exercício, o geólogo João César de Freitas Pinheiro, ao fazer pronunciamento no início da solenidade. Na ocasião, deu as boas-vindas aos participantes do 9º CEP/CE e desejou a todos debates produtivos e a realização de trabalhos profícuos.

João César Pinheiro citou a importância do CEP para promover uma reflexão sobre o quadro atual das engenharias. Quanto à ART, explicou ser a garantia de que a população do País receberá serviços executados por pessoas habilitadas e, portanto, de qualidade e com maior segurança. “Não poderíamos ter sofrido os ataques que sofremos e até chegarmos ao STF”, ponderou.

O presidente do Crea-CE em exercício fez questão de agradecer o empenho e apoio da Caixa de Assistência (Mútua) para viabilizar a defesa brilhante, no âmbito jurídico, da manutenção da ART e de outras causas do Sistema Profissional Confea/Creas. “O que permitiu que saíssemos de uma situação periclitante”, citou João César Pinheiro, numa referência à análise, pelo plenário do STF, sobre a exigência da taxa de expedição da ART, com base na Lei 6.994/1982. “Assim, poderemos levar avante nosso ideal de oferecermos bons serviços à comunidade”, acrescentou.

Observou, ainda, que “o momento é alvissareiro no Ceará, porque recentemente fomos procurados para viabilizar uma união do Crea com as instituições de ensino a fim de criarmos um fórum com a incumbência de discutir a nossa área de atuação, as demandas da sociedade e as inovações científicas no campo do ensino e da pesquisa nas engenharias”. O presidente do Crea em exercício encerrou sua exposição reiterando que “a crise não é um ponto de derrocada, mas de surgimento de novas ideias”.

Encontros Microrregionais

Coube ao vice-presidente do Crea-CE, o engenheiro mecânico Alberto Leite Barbosa Belchior, abrir oficialmente os trabalhos do 9º CEP, congresso que esteve sob a sua coordenação. Confessando-se feliz com a realização do CEP, o vice-presidente do conselho ressaltou que o evento estava se iniciando em Fortaleza constituía o sexto, no Ceará, em um processo preparatório ao 9º Congresso Nacional de Profissionais (CNP).

Alberto Belchior lembrou que graças a uma parceria das entidades de classe com o Crea-CE, o 9º CEP foi precedido de encontros microrregionais. “Já estivemos em Aracati e reunimos cerca de 49 profissionais. Depois, em Limoeiro do Norte, encontro que contou com a participação de 42 pessoas. Em seguida, em Juazeiro, com 169 participantes, entre profissionais e estudantes. Depois, vieram os encontros em Crateús, com 69 participantes, e o de Tianguá, com 29. Então, só temos a agradecer”, disse, frisando que, no estado, o Crea tem perto de 40 mil profissionais, dos quais 22 mil estão em dia com o conselho.

“A cada dia, percebemos o crescimento da participação da classe em nossos debates e discussões”, citou o coordenador do congresso estadual, agradecendo a dedicação de todos aqueles que possibilitaram a realização dos encontros microrregionais e do CEP na capital. Em seus agradecimentos, destacou a participação de Helena Araújo, a presidente do Senge-CE, o apoio decisivo da Mútua e da entidades de classe, bem como a organização propiciada por servidores e colaboradores do Crea-CE.

Benefícios da Mútua

jorgeCEPCEPosteriormente, os presentes puderam assistir palestra do diretor de Benefício da Caixa de Assistência dos Profissionais dos Creas (Mútua), engenheiro civil Jorge Roberto Silveira, enfocando os serviços e benefícios oferecidos aos associados.

Além das lideranças já citadas, a mesa formada na solenidade da abertura do congresso foi composta pelo professor Raimundo Nogueira da Costa Filho, diretor do Centro de Ciências da Universidade Federal do Ceará (UFC), na ocasião representando o reitor da instituição, professor Henry de Holanda Campos; o engenheiro civil Roberto Resende, secretário executivo da Secretaria Municipal da Infraestrutura; a engenheira civil Ana Câmara Jatahy Sobreira, presidente do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia do Ceará (Ibape) e o eng. civil José Edirardo Silveira Santos, presidente da Associação Brasileira dos Engenheiros Civis do Ceará (Abenc-CE). Presente, ainda, à solenidade o diretor-geral da Mútua-CE, Gerardo Santos.

Fonte e fotos: Crea-CE

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.