Sobrade promove simpósio sobre recuperação de área degradadas


O Seminário Internacional sobre Engenharia Natural é um dos destaques do X Simpósio Nacional sobre Recuperação de Áreas Degradadas, a ser realizado de 15 a 19 de setembro, nas dependências da hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR).
Considerado entre os eventos técnico-científicos do segmento no Brasil, o Simpósio abordará soluções práticas que ajudem recuperar áreas degradadas por diversas atividades como a mineração, agricultura, pecuária e construção de estradas, entre outras.
O enfoque do seminário sobre engenharia natural trará ao país novos conceitos de engenharia em função da crescente preocupação com a preservação ambiental.Palestras, mesas redondas, a apresentação de mais de 200 trabalhos voluntários, a oferta de 12 minicursos além de uma visita técnica às áreas da Itaipu Binacional com oficina temática, completam a programação, elaborada pela Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas, e que pode ser acessada no endereço www.sobrade.com.br 

Sobre recuperação de áreas degradadas 
O solo degradado é consequência da perda de sua capacidade física e química (fertilizantes) de continuar produtivo, o que o impossibilita de reter gás carbônico (CO2).  A degradação ambiental impõe elevados custos à sociedade, além do empobrecimento do produtor rural.
O Brasil possui cerca de 30 milhões de hectares de áreas de pastagens em algum estágio de degradação, com baixíssima produtividade para o alimento animal. O uso correto de tecnologias e de boas práticas agropecuárias torna possível reinseri-los ao processo produtivo.
Recuperar 15 milhões de hectares de áreas de pastagens degradadas entre os anos de 2010 e 2020 é uma das metas do Ministério da Agricultura para o programa do governo federal de redução da emissão de gases de efeito estufa. Dentre as ações em execução pelo Ministério da Agricultura, vale destacar a instituição do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas na Amazônia (Pradam). 
Elaborado em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), a Organização Mundial para Agricultura e Alimentos (FAO, em inglês) e o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), o Pradam visa a recuperar 5 milhões de hectares em cinco anos.

Fonte: Confea

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.