OAB, CRC e Crea se unem para avaliação aprofundada das obras da Copa do Mundo em Cuiabá

A Ordem Nacional dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso (OAB-MT), o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea/MT) e o Conselho Regional de Contabilidade (CRC/MT) se uniram para fazer um raio-x da real situação das obras da Copa do Mundo em Cuiabá. 

A decisão foi tomada na noite dE quarta-feira (3), em uma reunião na sede da OAB, em Cuiabá. O encontro contou com a presença do presidente da OAB-MT, Maurício Aude, o presidente da Comissão de Fiscalização dos Gastos Públicos, Ivo Matias, a presidente do CRC, Silvia Cavalcante, e o engenheiro conselheiro do Crea André Schuring. 

De acordo com o presidente da OAB-MT, Maurício Aude, desde 2012, as organizações já vinham trabalhando separadamente, contudo o excesso de falhas e precariedades encontradas nas obras da Copa do Mundo em Cuiabá, aliado a falta de transparência nos contratos e prestações de contas levou o grupo a se unir e traçar um panorama geral da situação em Mato Grosso. 

O objetivo do grupo é enviar o relatório para o Ministério Público Federal (MPF) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE), que já estão investigando a situação do Estado. 

Conforme Aude, a falta de transparência tem assombrado as obras da Copa. Segundo ele, foi necessário que grupo ingressasse com dois mandados de segurança para obter documentos da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa). 

Ainda assim, a Secretaria não disponibilizou os projetos das obras, que são parte fundamental na análise geral. Por conta disso, o documento será parcial e não definitivo. 

A OAB-MT, Crea e CRC já encaminharam um novo ofício à Secopa reivindicando os documentos complementares de cada obra executada para análise. Aude também não descartou um novo mandado de segurança para requerer o restante dos documentos. 

Conforme o presidente da OAB-MT, a expectativa é que o relatório esteja pronto até a próxima quinta-feira (11). 

Entre as grandes obras de mobilidade urbana da Capital, apenas o viaduto do Despraiado foi entregue totalmente concluído, ainda assim o local apresentou diversos problemas, como o desabamento de um morro, que ocasionou na interdição uma das vias, desde a sua inauguração. Até o momento, o projeto para liberar o local sequer começou a ser executado. A obra foi inaugurada há mais de dois anos. 

O viaduto da Sefaz é o mais novo escândalo. Depois de quase sete meses da data da inauguração, a obra está interditada por questões técnicas. Até mesmo a alternativa de implodir a obra e reconstruir outra já teria sido fomentada no governo. 

 

Fonte: Diário de Cuiabá

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.