Manutenção da Ponte Estaiada de Teresina é destaque em debate durante a 71ª Soea

Engenheiro civil Catão Francisco Ribeiro e o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Piauí (Crea-PI), Paulo Roberto, participaram de um debate durante a 71ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia, em Teresina (PI). O encontro foi para falar da Ponte Estaiada João Isidoro França, sobre o rio Poty, em Teresina (vencedora do Prêmio Gerdau – Talento da Engenharia Nacional – 2010), projeto do engenheiro Catão.
O encontro promoveu um debate sobre a Ponte Estaiada, que hoje faz parte da paisagem de Teresina, e atualmente é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade e, por isso, está sendo apresentada na divulgação da 71ª Soea. 
Na conversa, os dois engenheiros falaram um pouco sobre a manutenção que está sendo feita frequentemente na ponte, que há pouco tempo foi inaugurada (em 2010). O presidente do Crea-PI, Paulo Roberto, falou da normalidade desse tipo de benfeitorias que estão fazendo na Ponte Estaiada. “Eu particularmente tenho certeza da segurança da Ponte Estaiada, mas, claro, exigi uma manutenção. Tudo tem de ter manutenção, principalmente a estaiada, pela sua complexidade. Tem-se que olhar o cabo, olhar a sua resistência. E vai passar o tempo e vai precisar de mais manutenção”, enfatizou. 
Para falar um pouco da Ponte Estaiada, do ponto de vista da área da engenharia no Piauí, o presidente Paulo Roberto reforçou o quão é importante para a cidade de Teresina, assim como para todo o Estado do Piauí, ter um ponte estaiada. “Essa obra, além da beleza dela, mudou a visão de Teresina. Nós temos três pontes interessantes: a ponte metálica, a ponte de concreto e a ponte estaiada. Estamos na evolução. É interessante para a engenharia. Essa mudança, essa modificação arquitetônica. Estamos evoluindo”, reforçou.
Quando questionado se defende novas pontes estaiadas na cidade de Teresina, Paulo Roberto foi categórico, quando disse que não é possível generalizar, é necessário estudar cada caso. “Veja bem, quando se fala em ponte estaiada, cada caso é um caso. Tem de ver a viabilidade dela, tem de fazer um vão que justifique a ponte estaiada. Essa é a grande dificuldade, você precisa fazer uma ponte sem precisar fazer muitos pilares. Você tem que justificar a viabilidade econômica e a beleza estética”, garantiu o presidente.
O engenheiro civil Catão, afirmou que, para projetos como a ponte estaiada, são comuns esses tipos de manutenção. Para isso, deu um exemplo simples, para se entender os motivos das realizações de manutenção na Ponte Estaiada do Estado do Piauí. “Assim como o carro, as pontes também precisam de manutenção”, falou dando importância da inspeção em pontes, como forma de prevenção.
Ainda sobre o modelo da ponte estaiada, Catão disse que uma ponte é uma obra de arte, por sua funcionalidade. “A ponte estaiada é uma tecnologia conhecida como estado da arte, é o que tem de mais moderno no mundo hoje na área de projeto de construção de pontes hoje. Ela, se for de um vão de 100 metros livres, aí você pode construir uma ponte. Porque ela tem seu ponto ótico, e ela agrega uma beleza que as outras não têm”, fundamentou o engenheiro civil.
Catão falou que a Ponte Estaiada de Teresina sobre o Rio Poty tem um vão de 160 metros, ela está no ponto ótico, e tem funcionalidades. “Além da beleza, ela tem um elevador panorâmico, que é o mirante, que infelizmente não está operando. Porque essa é uma característica única, é a única ponte estaiada com um Mirante. Já ganhei prêmio por esse projeto da ponte de Teresina”, destacou.
Ao fim do encontro, Catão falou da importância de se promover encontros com profissionais da engenharia, e do imenso prazer de estar na 71ª Soea. “O encontro de profissionais de alto nível eleva a cultura geral. É importante a comunicação. Assim como é um prazer estar aqui”, finalizou o engenheiro civil. 
 
Fonte: Crea-PI

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.