Ferramenta implantada no Crea-RO é referência nacional

A caneta digital, ferramenta utilizada pela o departamento de comunicação do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de Rondônia, foi tema de palestra na III Reunião Ordinária dos Presidentes do Crea do Nordeste, realizada em Salvador, na Bahia. 
O assessor de fiscalização do Crea-RO, Neemias Machado, foi o palestrante que teve a missão de apresentar esta nova tecnologia implantada na gestão do presidente do Conselho, Engenheiro Civil Nélio Alencar.
Esta medida, que deixa o nome da entidade em Rondônia inscrito como um dos pioneiros no uso da tecnologia, auxilia na passagem dos dados das notificações feitas pelos fiscais direto para o sistema, tudo via internet.
“O sistema permite agilidade principalmente durante ações em campo, evitando que o fiscal necessite preencher os dados manualmente e ainda redigitá-los. A caneta reconhece letras em um ‘papel inteligente’ e pode ser adaptada para a necessidade de cada órgão fiscalizador”, disse Neemias, que já visitou os estados de Piauí e Alagoas para apresentar os benefícios desta ferramenta utilizada pelo departamento de fiscalização do Crea Rondônia.
O presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), Engº José Tadeu, solicitou ainda que o assunto fosse pautado para o próximo Colégio de Presidentes, para que os outros Creas do Brasil fossem contemplados com recurso proveniente do Prodesu e adquirem esta ferramenta.
Ao todo, 23 canetas já auxiliam o trabalho dos fiscais do Crea-RO. Além da capital Rolim de Moura, Jaru, Ji-Paraná, Ouro Preto, Pimenta Bueno, Cacoal e Vilhena já trabalham com essa ferramenta. “Ter nosso modelo implantado como referência para os demais Creas do Brasil, gera ainda mais credibilidade ao trabalho executado pelo departamento de fiscalização. Isso também fortalecerá a integração com os outros Conselhos”, afirmou o presidente Nélio Alencar.
Outra finalidade do encontro foi discutir a Fiscalização Integrada Preventiva da Bacia do Rio São Francisco, que há doze anos, já realizou 35 operações e visitou 115 municípios baianos.
O atual objetivo desta fiscalização é estender o alcance para os estados de Alagoas, Sergipe e Pernambuco, também banhados pelo Velho Chico. A apresentação sobre a FPI da Bacia do São Francisco foi realizada pela promotora do MP Luciana Khoury, o superintendente do Ibama na Bahia, Célio Costa Pinto e pelo assessor do Crea-BA, José Augusto Queirós. A FPI atua de forma multidisciplinar e conta com a participação direta de órgãos como o Inema, Funasa, Polícia Militar, Polícia Federal, Ministério do Meio Ambiente, entre outros.

Fonte: http://www.rondoniaovivo.com/

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.