Engenheiros Agrimensores atuam no Brasil há quase seis décadas

Em 4 de junho é comemorado o Dia do Engenheiro Agrimensor. Saiba um pouco sobre a origem da profissão e aspectos relativos ao mercado de trabalho

Instituído pela Lei nº 3.144 de 20 de maio de 1957, o curso superior de Engenharia de Agrimensura no País tem quase 60 anos de tradição. A primeira escola de formação de profissionais, neste ramo, foi estruturada em Araraquara (SP) e, hoje, existem 12 cursos registrados no MEC e 12,3 mil engenheiros agrimensores cadastrados no Sistema Confea/Crea e Mútua.

Os engenheiros agrimensores são habilitados a atuar na descrição, definição e monitoramento de espaços físicos, além da criação, organização, preservação e atualização de arquivos de informações geográficas e topográficas. Além disso, a Agrimensura está presente em vários ramos da Engenharia e a participação desse profissional é indispensável em diversos empreendimentos, desde o planejamento até a mensuração de sua conclusão. Como mercado de trabalho, destacam-se empresas de engenharia, indústrias, setor de construção civil, serviços públicos e instituições de ensino e pesquisa.

Com a popularização das tecnologias de posicionamento global via satélite e de geoprocessamento (GPS), o engenheiro agrimensor teve seu trabalho difundido para o público, tornando-o um produto de consumo de massa. Mapas digitais e rastreadores GPS já fazem parte do dia a dia das pessoas em seus carros, celulares, videogames, esportes, notícias que são acompanhadas pela localização da mídia, consultas pela internet, e em inúmeras outras aplicações. Enfim, a tecnologia de ponta valorizou e difundiu a Engenharia de Agrimensura na sociedade.

Origem da profissão

Os primeiros indícios da agrimensura datam do Egito Antigo. O agrimensor, que na época não levava essa nomenclatura, era o funcionário de confiança do faraó, responsável por medir e calcular os prejuízos causados pelas cheias do Rio Nilo e por redefinir as divisas de propriedades, devido as enchentes que ocorriam todo o ano e que apagavam as demarcações. Deste modo, era difícil distinguir os territórios e fiscalizar a cobrança de impostos. Daí surgiu a necessidade de um profissional que realizasse a medição e a demarcação desses terrenos. Esses profissionais, geralmente, dividiam os lotes em formas retangulares ou triangulares.

Homenagem da Mútua a todos os engenheiros agrimensores!

 

Fonte: Acme/Mútua

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.