Encontro da Engenharia Química dá sequência às reuniões por modalidade

 


Gumercindo Ferreira da Silva, coordenador do Cden, Júlio Fialkosk, vice-presidente do Confea, Carlos Alberto Rodrigues Anjos, coordenador nacional da CCEEQ e José Gilberto Pereira de Campos, superintendente de integração do Sistema, na abertura do Encontro
 

A Capital Federal sedia hoje (2) e amanhã o Encontro Nacional da Engenharia Química – Reunião dos Conselheiros Federais e Regionais da Engenharia da Modalidade Química do Sistema Confea/Crea e Mútua. O evento é promovido pelo Confea, com o apoio da Federação Brasileira de Associações de Engenheiros (Febrae), e tem o objetivo de tratar sobre a atuação e o exercício profissional dos engenheiros químicos.

Realizado na Sede do Confea, o Encontro foi aberto na manhã de hoje, pelo vice-presidente do Confea, engenheiro mecânico Júlio Fialkoski, com a presença do coordenador nacional CCEEQ, engenheiro químico Carlos Alberto Rodrigues Anjos, do coordenador do Colégio de Entidades Nacionais (Cden), engenheiro de Alimentos Gumercindo Ferreira da Silva, e do superintendente de integração do Sistema engenheiro civil José Gilberto Pereira de Campos.

Para o presidente do Ceden, esse evento é o reconhecimento do Sistema como uma forma de mostrar que a Câmara de Engenharia Química faz parte do Sistema Confea/Crea e Mútua e que ela faz parte das profissões contempladas pelo Conselho. Além disso, Gumercindo explica que o Encontro permitirá nivelar questões específicas da Engenharia Química em todo o País. “A realização desse encontro nacional é um desejo antigo da CCEEQ. É a oportunidade de reunir todos os conselheiros regionais da modalidade para discutir os problemas e discutir as soluções que cada Estado está adotando e, assim, traçar uma solução unificada. Servirá para que todos os Estados tenham a expertise de algo já vivido e, a partir daí, tornar a Engenharia Química mais envolvida dentro Sistema e mais bem trabalhada dentro da fiscalização, inclusive pelos próprios fiscais, que muitas vezes desconhecem a atividade”, ponderou. Ainda de acordo com o engenheiro de alimentos, dois grandes temas deverão nortear os debates no Encontro: o choque entre o Confea/Creas e CFQ/CRQ e a fiscalização na área da Engenharia Química.

Com o tema “A Engenharia da modalidade Química e o desenvolvimento do Brasil”, foi iniciado os trabalhos técnicos do Encontro. A Palestra foi proferida pelo doutor em Química e professor da Universidade de Brasília (UNB), Fabricio Machado Silva. A programação do evento terá prosseguimento, na tarde desta segunda-feira, com a palestra “Fiscalização profissional da Engenharia da Modalidade Química e a questão Confea/Crea x CFQ/CRQ”, com a presença dos advogados  João Augusto de Lima (PROJ) e Renato Luiz Csaszar  (Crea-RJ). Já amanhã, serão tratadas as “Linhas de ações para a emissão de pareceres de registros de profissionais e ou empresas – Intersecção das Leis 2.800/1956 E 5.194/1966, assunto a ser tratado pelo coordenador Nacional de CCEEQ, engenheiro químico Carlos Alberto Rodrigues Anjos, e, ainda, o “CDEN e a Representatividade da Engenharia da modalidade Química junto ao Sistema Confea/Crea e Mútua”,  com o coordenador do CDEN, engenheiro de alimentos Gumercindo Silva.

Também nesta terça-feira, três grupos serão formados para discutir e formular sugestões que integrarão a Carta de Proposições do Encontro Nacional de Engenharia Química. Cada grupo ficará responsável por analisar um dos seguintes temas: “A relação entre Confea/Crea e CFQ/CRQ  e a aprovação de decreto regulamentar da Engenharia da Modalidade Química”,  “O ensino da Engenharia da Modalidade Química e ações junto às IES” e “Fiscalização do exercício profissional no âmbito da Engenharia da Modalidade Química”. Ao final, todos os participantes irão debater as propostas para a formulação do documento conclusivo do evento.

 

Fonte: Acme/Mútua (com informações do Confea)

Foto: Margareth A. Vicente (Acme/Mútua)

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.