Crea-MT aponta falta de planejamento e “descarta” obras

Estado “corre contra o tempo” para entregar todas as obras dentro do prazo anunciado

A quatro meses do início da Copa do Mundo no Brasil, o Governo do Estado se vê “correndo contra o tempo” na tentativa de cumprir os prazos anunciados para finalização de todos os projetos criados para preparar a cidade para o evento – principalmente aqueles considerados obrigatórios pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) – até abril deste ano.

A “corrida”, porém, é vã, segundo a avaliação do presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-MT), Juarez Samaniego.

De acordo com o engenheiro, se continuar tocando as obras da forma como está sendo feito, a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) pode desistir de tentar ver os principais projetos firmados com a entidade de futebol – como a construção dos Centros Oficiais de Treinamento (COTs) e a reforma do Aeroporto Internacional Marechal Rondon – prontos antes do Mundial.

“Na engenharia, tudo tem condição, desde que você tenha tempo bom, recursos financeiros e profissionais capacitados trabalhando. Com todos esses fatores, você consegue executar tudo até o início da Copa. Mas, da forma como estão andando, algumas dessas obras não ficam prontas para a Copa”, disse.

Samaniego, que acompanhou por meio de visitas de fiscalização o andamento das obras, afirmou que a faltou planejamento por parte do estado desde o início das obras.

“Na verdade, a Secopa podia ter tomado as rédeas de tudo isso bem antes, pela própria Câmara Setorial de Infraestrutura que foi constituída e nunca foi convocada. Ela daria um suporte porque abrangia vários órgãos da sociedade que poderiam contribuir, mas nunca foi convocada. A gente entende que quem não precisa de ajuda, sabe demais. E é isso que está ocorrendo”, afirmou.

Para o engenheiro, a própria condução dos trabalhos pela pasta está errada, começando pela figura do secretário Maurício Guimarães, por “não ter colocado pessoas competentes para agilizar o projeto”.

Samaniego defende que, apesar dos cargos de secretários serem essencialmente políticos, os cargos de segundo escalão deveriam ser ocupados apenas por técnicos com o conhecimento necessário para dar suporte a quem ocupa o posto principal.

 “O secretário de Infraestrutura da Secopa é um advogado. Trata-se de um cargo essencialmente técnico que deveria ter um profissional da área para avaliar tudo isso, porque todos sabem que nenhuma obra foi entregue no prazo e as que foram inauguradas faltam alguma coisa para ser concluída. Isso porque nem entramos na questão de qualidade”, disse.

VLT até o Porto

Das seis intervenções firmadas entre o Governo do Estado e Fifa com vistas ao Mundial de 2014, um deles já foi descartado pela falta de tempo viável para conclusão até o evento: a implantação do Veículo leve sobre Trilhos (VLT).

Samaniego ressalta que, desde o início, a obra foi licitada sem projeto, o que fez com que o Consórcio VLT Cuiabá – responsável pela obra – abrisse várias frentes de trabalho na Capital e em Várzea Grande, sem planejamento algum.

“Se viesse fazendo as obras por trecho, a cidade não estaria desse jeito, toda arrebentada e você já teria algum trecho concluído. Era possível. Se decidissem atacar primeiro a Avenida da FEB, você colocaria recursos naquele trecho e talvez teríamos até esse primeiro trecho concluído. Mas começaram a colocar obras em todos os lugares e não concluíram nada até agora. Isso, para mim, é falta de planejamento na engenharia”, pontuou.

Na visão do engenheiro, a promessa do Estado de concluir a implantação do modal até o Porto, com vistas ao melhor transporte dos visitantes que desembarcarem no aeroporto Internacional Marechal Rondon, também não será cumprida.

“Eles não conseguiram instalar o Centro de Operação. Sem ele, você não funciona o VLT, e lá está em obras ainda’, disse.

Matriz de Responsabilidades

Das demais obras previstas como essenciais para o Mundial, a visão do engenheiro também não é otimista. É necessária a reforma e ampliação do aeroporto, bem como a construção dos Centros Oficiais de Treinamento do Pari (Várzea Grande) e da Universidade Federal de Mato Grosso (Cuiabá), até abril deste ano – o que, na visão dele, não é possível.

“O COT da UFMT e do Pari estão muito atrasados. Se eles continuarem nesse ritmo, eles não serão concluídos em abril. Não tem como. É impossível. O próprio aeroporto, da forma como a obra está sendo conduzida, também não será concluído. Tanto é que a própria Fifa deixou como prioridade que a Arena Pantanal esteja pronta”, afirmou.

Já quanto à conclusão da Arena Pantanal, que agora é prevista para meados de março pelo Governo do Estado, Samaniego acha que não há po que a população se preocupar.

“Eu acredito que no final de março ela esteja concluída, porque agora eles começaram a fazer a urbanização no pátio e o estádio já tem aproximadamente 10 mil cadeiras colocadas”, disse.

As obras do entrono da Arena, que consistem na duplicação da Estrada da Guarita, construção do Corredor Mário Andreazza (duplicação de ponte e rodovia) e a revitalização do Córrego Oito de Abril, também são preocupantes, na visão do engenheiro, mas possíveis.

Ele acredita que tanto as obras da Estrada da Guarita quanto da rodovia possam ser concluídas, por faltarem poucos serviços a serem feitos, mas nada será executado até março, como prometido pelo Estado, apenas depois desse mês, quando as chuvas diminuem.

“Nesse período é ruim de trabalhar, porque faltam poucas coisas a serem feitas, mãos são obras de terraplanagem, drenagem e, no caso da rodovia, de imprimação só. Do jeito que está lá agora, é serviço perdido. É possível terminar depois desse período chuvoso, aumentando o ritmo e os turnos de trabalho”, disse.

Já as obras no Córrego Oito de Abril, o presidente do Crea acredita serem impossíveis de serem executadas até a Copa do Mundo, por se tratar de um serviço complexo em um trecho grande.

A construção do Fan Park – ponto de encontro de torcedores durante o Mundial – também é visto com descrença pelo engenheiro, uma vez que o projeto deve ser executado no Parque de Exposições Jonas Pinheiro e, até o momento, a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) continua sediada no local e nenhum serviço teve início.

“É um projeto comprometido, porque eu não sei qual é a relação hoje da Acrimat com o Estado em relação à mudança, mas, da forma como está lá, sem mexer nada, não acredito que algo seja feito. A não ser que a Acrimat aceite sair de lá a toque de caixa”, disse.

Samaniego ressaltou que não se trata de uma obra difícil, uma vez que se trata de um pátio pavimentado onde serão construídas as estruturas temporárias, mas afirmou que desconhece a grandiosidade do projeto, uma vez que, mesmo tendo solicitado o projeto à Secopa para análise, o mesmo não foi fornecido.

Otimismo

Apesar dos atrasos consolidados no cronograma das obras, o governador Silval Barbosa (PMDB) se diz otimista quanto ao cumprimento dos prazos e acordos feitos com a Fifa antes do início do Mundial.

Em discurso feito durante a semana na inauguração do Viaduto da Sefaz, ele voltou a assegurar a conclusão dos projetos – não somente os da Matriz de Responsabilidade – a tempo para o evento.

“Vamos entregar todas as obras de arte antes da Copa, exceto a obra do VLT, porque nós aditamos o prazo para o final do ano”, afirmou.

O mesmo foi assegurado pelo secretário Maurício Guimarães, que afirmou que, apesar do tempo exíguo e da pressão sobre a Capital, não há razões para a população se preocupar. “Cuiabá estará pronta para a copa”, afirmou.

Projetos

Da lista da Matriz de Responsabilidades assinada com a Fifa, apenas duas obras já foram inauguradas pelo Governo do Estado: a Trincheira da Ciríaco Cândia e a duplicação da ponte sobre o Rio Cuiabá na Rodovia Mário Andreazza – sem a duplicação da via finalizada ainda.

Ambas as obras integram a rota protocolar que liga o Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea grande, à rede hoteleira e à Arena Pantanal.

Todos os projetos restantes sofreram reajustes significativos no cronograma, com aditamento dos prazos de execução, enquanto o Fifa Fan Park, previsto para ser construído no Parque de Exposições Jonas Pinheiro, nem mesmo começou a sair do papel.

Arena Pantanal

Orçada em R$ 570 – dos quais R$ 420 milhões referem-se apenas à construção da parte física do Complexo Multiuso (estádio, área de lazer e área verde), sob responsabilidade da Construtora Mendes Júnior –, a Arena Pantanal chegou a 95% dos serviços concluídos até fevereiro deste ano.

A obra já sofreu, no mínimo, quatro alterações na data de inauguração e, agora, o estádio tem previsão de conclusão para março próximo.

Fifa Fan Park

Com o projeto ainda em fase de elaboração, o local servirá como ponto de encontro para os torcedores que não forem ao estádio assistir aos jogos da Copa do Mundo. Além de telões para transmissão dos jogos do Mundial, haverá shows nacionais e internacionais e estandes dos patrocinadores da competição.

Após a conclusão do projeto, um novo edital deverá ser lançado para contratação da empresa que irá executar a obra, que não tem prazo de conclusão previsto pelo Estado.

Centros Oficiais de Treinamento (COTs)

Orçado em R$ 25,5 milhões e sob responsabilidade do Consórcio Barra do Pari, o Centro de Treinamento de Várzea Grande começou a ser construído em janeiro deste ano e devia ter sido entregue em 10 de outubro de 2013.

Já o COT da UFMT, orçado em R$ 15,8 milhões e sob responsabilidade das empresas Engeglobal e Três Irmão Engenharia, tinha prazo de entrega para 29 de dezembro passado – o que também não ocorreu.

Segundo a Secopa, as duas obras enfrentaram problemas em suas fases iniciais, que acabaram por comprometerem a evolução de ambas no ritmo esperado. Agora, os dois projetos são esperados para abril de 2014.

Corredor Mário Andreazza

As obras ligadas ao Corredor Mário Andreazza fazem parte do plano B de locomoção entre o aeroporto, a Arena Pantanal e a rede hoteleira, além de facilitar o acesso ao Centro Oficial de Treinamento (COT) da Barra do Pari.

Uma das obras é a duplicação da Ponte Mário Andreazza, concluída pela empresa Atrativa Engenharia e inaugurada em dezembro deste ano. A obra custou R$ R$ 11,4 milhões.

A outra obra que compõe esse corredor é a duplicação da Rodovia Mário Andreazza (MT-444), que consiste na duplicação da pista que vai do Trevo do Lagarto (encontro das BRs 364, 163 e 070) até a Avenida Miguel Sutil, em um total de 9,4 km. A obra é executada pela empresa Agrimat Engenharia e está orçada em R$ 22 milhões e agora tem previsão de entrega em março.

Reforma e Ampliação do Aeroporto

Sob responsabilidade do Consórcio Marechal Rondon e atualmente orçada em mais de R$ 80 milhões, a obra de reforma e ampliação do Aeroporto Internacional Marechal Rondon tem prazo de conclusão agendado para abril, quatro meses após o prazo inicialmente anunciado pelo Estado.

Entorno da Arena

Córrego Oito de Abril

A obra de reestruturação e revitalização do Córrego Mané Pinto/Avenida Oito de Abril está sendo executada pela Engeglobal Construções e tem por objetivo facilitar o acesso à Arena Pantanal.

A previsão inicial é de que a obra fosse concluída em julho do ano passado, mas a demora para o início da obra, fez com que a Secopa aditasse o contrato para que fosse encerrado em março.

Pavimentação e restauração de diversas ruas do entorno

Antes previstas para o final do ano passado, as obras de pavimentação e restauração de ruas diversas no entorno da Arena Pantanal estão sendo executadas pela empresa Três Irmãos Engenharia e já deveriam ter sido concluída em maio de 2013, de acordo com o novo cronograma.

Agora, após a realização de um novo reajuste de prazos, os projetos – que foram divididos em dois lotes – têm previsão de conclusão apenas em março deste ano.

Entre os bairros atendidos estão Cidade Alta, Jardim Cuiabá, Goiabeiras, Centro-Sul, Popular, Duque de Caxias, Barra do Pari e Jardim Santa Isabel. Ao todo, as obras estão orçadas em aproximadamente R$ 13 milhões.

Trincheira Ciríaco Cândia

Conhecida como “trincheirinha”, a obra foi inaugurada pelo Estado em dezembro deste ano e foi executada pela Métrica Construções, ao custo de R$ 1,7 milhão.

No entanto, hoje a obra se encontra interditada pela Secopa, após o solo apresentar um “marejamento” de água – segundo o secretário.

“Agora, estamos fazendo um trabalho adicional no local, mas não é um problema que comprometa a obra de qualquer forma”, disse.

Estrada da Guarita

Compreendida entre a Avenida Ulisses Pompeu de Campos e a Passagem da Conceição, em Várzea Grande, a duplicação da via permitirá aos motoristas acessar o Centro da cidade sem passar pela Avenida da FEB e o COT do Pari.

A obra deveria ter sido concluída em janeiro deste ano pela empresa Agrimat Engenharia, teve seu prazo aditado para novembro, mas agora deverá ser finalizada apenas em março – mais de um ano após o prazo inicialmente previsto.

A obra está orçada em R$ 23,8 milhões.

Já as obras de duplicação, reforma e reforço da ponte sobre o Rio Pari, que completa a obra de duplicação da estrada da Guarita, foram praticamente finalizadas e o trânsito sobre a obra, liberado.

Ela custou R$ 2,9 milhões e foi executada pela empresa Atrativa Engenharia.

VLT

Orçado em R$ 1,477 bilhão, a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos na Grande Cuiabá – bem como a construção de 12 obras de arte – está sendo realizada pelo Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, formado pelas empresas Santa Bárbara, CR Almeida, CAF Brasil Indústria e Comércio, Magna Engenharia Ltda. e Astep Engenharia Ltda.

Ao todo, o projeto contempla a construção de 12 obras de arte nos dois corredores estruturais que serão montados nas avenidas João Ponce de Arruda e FEB (em Várzea Grande), e XV de Novembro, Tenente Coronel Duarte (Prainha), Historiador Rubens de Mendonça (Avenida do CPA), Coronel Escolástico e Fernando Corrêa da Costa, em Cuiabá.

Antes prevista para março de 2014, a obra tem previsão de conclusão apenas em dezembro deste ano.

 

Fonte: Midia News

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.