Debates buscam uma Defesa Civil integrada

Na tarde da quinta-feira (23/1), a Defesa Civil com gestão integrada de risco e de respostas a desastres, com gestão de conhecimento em Proteção e Defesa Civil; uma Defesa Civil integrada por políticas relacionadas à proteção e à mobilização e promoção de uma resposta na busca de Cidades Resilientes, foi debatida pelos participantes da Conferência Livre de Proteção e Defesa Civil, realizada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre (RS), dentro da programação do Fórum Social Mundial 2014.
Reunindo profissionais – inclusive lideranças classistas como as que representam o Sistema Confea/Crea e Mútua– que atuam em Defesa Civil, estudantes, representantes de ONGs, Defesa Civil, Cruz Vermelha e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e de trabalhadores, a Conferência Livre  é promovida pela Associação de Engenheiros e Arquitetos de São Lourenço do Sul  Região (Assenar). A participação dos profissionais do Sistema Confea/Crea e Mútua nas discussões foi defendida por Ibá dos Santos Silva, eng. agrônomo e conselheiro que representa o plenário do Conselho Federal de Engenharia e de Agronomia.
Integrantes de ONGs que lidam com a população vitimada por catástrofes naturais, por sua vez, afirmam que sem regularização fundiária não será possível bairros e cidades resilientes. Argumentam que “essa população  precisa gostar do lugar onde  mora ou morava antes de ser vitimada por uma enchente, por exemplo, para se engajar na busca de soluções para melhorar a qualidade de vida”.
José Mario Cavalcanti, presidente do Crea-PE, na mesma Conferência, mas ainda pela manhã, ofereceu os profissionais reunidos pelo Sistema (engenheiros, agrônomos, geógrafos, geólogos e meteorologistas), como parceiros dos governos municipais, estaduais e o federal, no levantamento e avaliação de danos a bens públicos e privados para o planejamento de ações e custos. “Fizemos isso em Pernambuco e identificamos 25 mil imóveis. Os profissionais avaliarão de forma exata, precisa”, defende. “É preciso ajudar na reconstrução. Estamos à frente de mais de 1 milhão de profissionais a serviço da nação”, afirma.
Juci Pita, coordenador das Câmaras Especializadas de Agronomia, Anna Virgínia Machado, da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária, e Flavio Correia de Sousa, presidente do Crea-DF, representando o presidente do Confea, José Tadeu da Silva, também participaram dos debates realizados à tarde.
Depois de destacarem a cidadania e o respeito à defesa civil como princípios fundamentais que baseiam todos os outros, os participantes da Conferência definiram diretrizes como a criação de comitês, sistemas de alertas para os litorais e criação de núcleos de estudo, entre outros.

Agenda para 24 de janeiro – Na sexta-feira, os representantes do Sistema Confea/Crea e Mútua estarão em mais atividades promovidas pela Assenar. Na mesma Assembleia Legislativa serão realizadas as oficinas Habitação de Interesse Social, às 9h; Regularização Fundiária Urbana e Rural, às 16h.

Fonte: Confea

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.