Crea-PR orienta construções civis para prevenir infestação de dengue

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA-PR), em parceria com a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Maringá, está orientando empresas, especialmente as ligadas à construção civil, a seguir a Norma Técnica de Prevenção e Controle da Dengue, conforme Resolução Estadual 29/11, e a realizar o Plano de Gerenciamento para Prevenção e Controle da Dengue  (PGPCD).
“Sabemos que os canteirosde obras, se mal gerenciados, acumulam entulhos, podendo se transformar em um perigo para a saúde pública por conta da dengue. Os empresários que seguirem a norma e realizarem o PGPCD estarão colaborando para impedir a infestação. São rotinas que, se seguidas adequadamente, garantem a segurança de toda a comunidade”, ressalta o gerente regional do CREA-PR em Maringá, Hélio Xavier. O plano de gerenciamento pode ser encontrado no portal da prefeitura de Maringá (www.maringa.pr.gov.br).
Uma medida aprovada pelo Comitê Gestor Intersetorial de Controle da Dengue do Governo do Estado prevê a autuação e punição de locais identificados como criadouros do mosquito da dengue, uma das ações de combate e controle da doença no Paraná.
Para manter a construção organizada, algumas medidas podem auxiliar o trabalho. O engenheiro civil de Maringá Edinaldo Favareto Gonzalez, mestre em Planejamento e Qualidade em Canteiros de Obras, afirma que a NR-18 determina que o entulho e sobras de materiais devem ser regulamente coletados e removidos. “A construtora que não seguir as orientações pode ser autuada pelo Ministério do Trabalho”, observa.
A atuação do profissional da engenharia é imprescindível também para atender as exigências da Secretaria de Saúde do Paraná. “Ela determina que o canteiro de obras deve ser organizado, drenado e com caimentos necessários, evitando assim água acumulada”, fala Gonzalez. O engenheiro destaca também que a implantação do sistema gerencial “5S” contribui para realizar, de forma correta, o descarte, organização, limpeza, segurança do trabalho e autodisciplina dentro dos canteiros. Por conta disso, a metodologia tem contribuído para a redução dos casos de dengue e dos acidentes de trabalho. “Ganham os trabalhadores e as construtoras, com uma melhora em sua imagem institucional, com redução de acidentes, maior produtividade, menor desperdício e melhor qualidade”, explica.

Fonte: http://www.paranashop.com.br/ 

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.