Confea reforça CBA e a participação dos agrônomos dentro do Sistema Confea/Crea e Mútua


Em sua 28ª edição, o Congresso Brasileiro de Agronomia (CBA) começa nesta terça-feira (19/11) e prossegue até a próxima sexta-feira, no Centro de Eventos Pantanal, em Cuiabá, tendo como tema “Segurança Alimentar e Nutricional”.  Mais tradicional evento da Agronomia, promovido bianualmente desde 1935, o CBA ganha do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), a partir deste ano, uma proposta mais efetiva de integração com os profissionais da Agronomia, com a realização da 1ª Reunião dos Conselheiros Federais, Regionais e Profissionais do Sistema.
Na abertura do Congresso, o engenheiro agrônomo Alan Jorge Bojanic, representante da FAO/ONU no Brasil, promove a conferência “Os desafios estratégicos do Brasil em Segurança Alimentar”. O atual ministro da Agricultura, engenheiro civil Antônio Andrade, e o ex-ministro da pasta, engenheiro agrônomo Roberto Rodrigues, estão entre os convidados.  A expectativa é de que cerca de dois mil estudantes e profissionais participem dos eventos.
O presidente do Confea, engenheiro civil José Tadeu, considera que “pela primeira vez na história, conselheiros federais e estaduais, responsáveis pela legislação do Sistema, estarão reunidos para desenvolver estudos e indicar providências para a modernização e o aperfeiçoamento da legislação que regulamenta o exercício profissional do Grupo Agronomia no Brasil, conforme recomenda a lei nº 5.194/66, em seu artigo 53”.
Em recente texto publicado no site do Confea, José Tadeu argumentou ainda que a realização desta reunião, que vai congregar profissionais da Agronomia que atuam tanto em âmbito nacional como estadual, representa a integração tão defendida por este Sistema e que, oficialmente, foi retomada e documentada com o Seminário de Integração dos Conselheiros Federais com os Membros dos Órgãos Consultivos do Sistema Confea/Crea e Mútua, em junho, em Águas de Lindóia (SP). “Na ocasião, foi oficializada a realização deste encontro para que haja um levantamento profundo de toda a conjuntura relacionada à profissão”.
A agenda marca os 80 anos da regulamentação da profissão de agrônomo, em 12 de outubro. Para a primeira Reunião dos Conselheiros Federais, Regionais e Profissionais do Sistema, determinada pela PL 0982/2013, está prevista a discussão de temas importantes para a modalidade, como ART, ética, legislação, receituário agronômico e fiscalização no meio rural. As propostas irão compor uma agenda de ações prioritárias da modalidade Agronomia. A busca por soluções integradas para um cenário de crises, diante de consumidores mais exigentes, inclusive quanto à sustentabilidade, integra as expectativas do Congresso, patrocinado pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), Crea-MT, Mútua Caixa de Assistência e Senar-MT e realizado pela Confederação das Associações dos Engenheiros Agrônomos do Brasil (Confaeab) e Associação de Engenheiros Agrônomos de Mato Grosso (AEAMT).
Novo momento
Para o presidente da Confederação das Associações dos Engenheiros Agrônomos do Brasil (Confaeb), Ângelo Petto Neto, a promoção conjunta do XXVIII Congresso Brasileiro de Agronomia com a 1ª Reunião dos Conselheiros Federais, Conselheiros Regionais e Profissionais da Agronomia do Sistema Confea/Crea e Mútua representa um novo momento para o Sistema como um todo. “Fomos a primeira profissão regulamentada do Sistema e este momento de sinergia é inédito, envolvendo conselheiros do país inteiro. Esperamos que o Confea continue esta rotina nos próximos anos porque esta iniciativa já é um sucesso que está sendo muito elogiada. Inclusive, a Engenharia Civil já nos comentou que pretende seguir este modelo em seu Congresso de 2015”.
Petto considera ainda que o presidente do Confea, engenheiro civil José Tadeu da Silva, se empenhou pessoalmente para promover este momento, buscando entender as atuais necessidades da Agronomia. “Tivemos que correr contra o tempo, em função de um descompasso da gestão anterior da Confaeab, mas, depois de oito meses de planejamento, acredito que estamos atendendo a tudo o que foi projetado. Com este envolvimento ativo de todos, acreditamos ser possível que a Reunião e o Congresso nos deem diretrizes para o futuro da Agronomia, em dois produtos distintos que serão publicados no encerramento”, diz, convidando profissionais e estudantes para discutir as questões pertinentes ao exercício da profissão nos paineis e ainda para as conferências e demais debates que tomarão a Reunião e o Congresso.
Para o presidente da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Mato Grosso (AEAMT), João Dias, a ideia de promover uma “plenária conjunta” da Agronomia, ancorada pelo Sistema, é uma oportunidade para a modalidade refletir sobre as suas ações, promovendo sua integração e ainda articular-se com a sociedade. “Temos um histórico de congressos brasileiros em que, quase sempre, as temáticas abordadas não são encaminhadas em benefícios à categoria. Queremos que a partir de agora todos os conselheiros federais, regionais e os profissionais estejam em um só local para deliberar as principais pautas que norteiam a atividade e o exercício profissional da Agronomia, a curto, médio e longo prazos”, comenta, informando que já havia, na semana anterior aos eventos, mais de 1.700 profissionais e estudantes habilitados a participar das discussões da Reunião e do Congresso.
A efetividade, portanto, deve ser o maior mérito desta primeira Reunião dos Conselheiros Federais, Regionais e Profissionais do Sistema. A modernização e o aperfeiçoamento da legislação do Sistema Confea/Crea e Mútua, em pontos como a regulamentação das atribuições previstas pela Lei nº 5.194, e ainda medidas como o desenvolvimento de um amplo modelo informatizado para a fiscalização do exercício profissional no meio rural são algumas das principais expectativas dos participantes. “É importante que passemos a utilizar as tecnologias disponíveis para alcançar as atividades destes profissionais nas fiscalizações no meio rural, como o cruzamento de dados entre o Ministério da Agricultura, a Receita Federal e os Institutos de Defesa locais”, acrescenta João Dias, considerando a iniciativa uma importante forma de aproximação com a categoria.

 

Organização
Os debatedores serão organizados em Grupos de Trabalho divididos em três temas: legislação, fiscalização e ética. Diariamente, os trabalhos serão precedidos de uma palestra de nivelamento, acerca do tema a ser desenvolvido pelos GTs. Um documento com as decisões dos participantes será sistematizado pelo presidente e pelo secretário de cada grupo. Depois, as propostas serão levadas à plenária geral, para elaboração de agenda de ações prioritárias da modalidade Agronomia, com dez itens.
O Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade, promoverá a palestra “Novas Tecnologias e Bioética”. Já o coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Engenharia, deputado federal Augusto Coutinho, o deputado federal Júlio Campos e o deputado estadual José Domingos participarão de mesa-redonda com o tema: “A defesa dos interesses do Engenheiro Agrônomo no Poder Legislativo Federal: a atuação da Frente Parlamentar em Defesa da Engenharia e da Agronomia”.
Atualmente, existem mais de 167 mil profissionais da modalidade agronomia inscritos no Sistema. A agenda da programação da 1ª Reunião dos Conselheiros Federais, Regionais e Profissionais do Sistema contemplará atividades em todos os dias de realização do CBA, segundo a recomendação aprovada em plenário.
Confira a programação da 1ª Reunião dos Conselheiros Federais, Regionais e Profissionais do Sistema

 

Produtividade em alta
A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a produção de grãos da safra entre 2012 e 2013 deve ultrapassar 180 milhões de toneladas, número 46% maior do que o registrado entre os anos de 2002 e 2003. Em recente entrevista ao site do Confea, o presidente do Crea-PA, engenheiro agrônomo Antônio Carlos Albério, destacou que “a somatória da qualidade dos profissionais que estão sendo gerados no Brasil e da tecnologia disponível fez com que tivéssemos um marco significativo do agronegócio brasileiro, a partir da criação da Embrapa, cujas pesquisas junto às de universidades brasileiras contribuíram significativamente para este aumento de produtividade”.  Na ocasião, Albério convidou todos os agrônomos a participar do Congresso.

Fonte: Confea

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.