Confea incentiva parceria com a Nigéria

O Conselho Federal de Engenharia e Agronomia recebeu na tarde desta quarta-feira (2/10) uma comitiva de engenheiros, empresários e representantes governamentais nigerianos. Interessados em parcerias sobretudo na área da construção civil, eles receberam informações sobre possibilidades de intercâmbio profissional e acadêmico por parte do superintendente de Integração do Sistema, engenheiro civil José Gilberto Campos e a conselheira federal e engenheira eletricista Darlene Leitão, que, juntamente, representaram o presidente do Confea, engenheiro civil José Tadeu, no encontro. “Poderemos, no futuro, promover protocolos de intenções e outras formas de intercâmbio. Por enquanto, foi um primeiro contato, em que esclarecemos pontos sobre as realidades da Engenharia nos dois países”, sinalizou Campos.

O representante da Comissão de Promoção de Investimentos da Nigéria, Daniel C. Awurum, comentou que o “desenvolvimento vivenciado pelo Brasil na última década converge com as taxas de crescimento da Nigéria, entre as maiores do continente africano”. Para ele, as alternativas de construção desenvolvidas no Brasil podem interessar bastante a seu país. “Poderemos vir a firmar parcerias com as construtoras brasileiras. Vemos o Brasil como um parceiro estratégico”, disse, convidando os representantes do Conselho para participar de um encontro internacional sobre estas oportunidades de investimentos no país, a ser promovido no Rio de Janeiro, em novembro.


Comitiva nigeriana e representantes do Confea

Para o ex-presidente do Instituto Nigeriano de Edificações, D.D Jambol, as expectativas de crescimento brasileiras atraem os investidores nigerianos. “Por isso queremos também convidá-los a conhecer a Nigéria para que possamos aperfeiçoar nossas práticas na área da Engenharia para a construção de casas e para a preservação do meio ambiente. Temos um déficit habitacional de 14 milhões”. Segundo o professor Kabir Bala, o Instituto é o corpo técnico institucional responsável pela fiscalização das edificações do país africano, excluindo as obras referentes a barragens, rodovias e outras. “Estamos em busca de parcerias externas para aprender e também para colaborar”.

José Gilberto Campos destacou a força do programa habitacional brasileiro em reduzir o déficit habitacional do país e definiu as funções e a abrangência do Sistema Confea/Crea e Mútua, enfatizando a importância, neste intercâmbio, do Colégio de Entidades Nacionais. “Esse é um caminho possível. A Nigéria é um país com uma economia pungente e temos todo o interesse de promover estas parcerias, este intercâmbio, com trocas de tecnologias e processos, principalmente através das entidades que atuam em diversas áreas, não só na da construção civil. Por isso estamos dispostos a ouvi-los”.

As principais dúvidas dos representantes se referiam ao controle exercido pelo Confea sobre as obras, o funcionamento dos processos licitatórios e as formas de integração dos profissionais estrangeiros no país. Sobre este ponto, Gilberto referiu-se às exigências da tradução juramentada do diploma e da análise curricular dos cursos para o reconhecimento dos profissionais. O superintendente de Integração do Sistema Confea/Crea e Mútua informou ainda que o Conselho certifica as empresas quanto à sua “expertise” para participar ou não dos processos licitatórios. Ao final do encontro, o Confea foi homenageado pelo Instituto Nigeriano de Edificações.

 

Fonte: Confea

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.