Antecedendo o 8º CNP, ex-presidentes dividem suas experiências

Realizado trienalmente, o 8o Congresso Nacional de Profissionais (CNP) ocorreu este ano, nos dias 12 a 14 de setembro, em Gramado (RS). Estatuto, ensino e formação, ética, sustentabilidade e planejamento já foram focos de Congressos. Nesta edição, o tema central foi Marco Legal: Competência profissional para o desenvolvimento nacional. Para debater a evolução histórica dos encontros e para anteceder o 8o CNP, três ex-presidentes do Confea compartilharam suas experiências, no dia 11, antecedendo a realização dO 8º CNP. O conselheiro federal Dirson Freitag conduziu o debate.

Primeiro a falar, respeitando a ordem cronológica dos mandatos, o ex-presidente do Confea Henrique Luduvice traçou um panorama histórico, reconhecendo o esforço dos que nos anos de 1933 (criação do Confea) e 1966 (regulamentação das profissões) estruturaram o Sistema Confea/Crea. Luduvice também fez um paralelo entre os contextos históricos do Sistema e do país na época da Assembleia Constituinte, no final da década de 1980 e início de 1990. “Foi nesse contexto que se iniciaram os Congressos Nacionais de Profissionais, para responder às demandas desse novo cenário, a fim de que contribuíssemos com a construção de um Brasil democrático”. Luduvice presidiu o Confea de 1994 a 1999 e dirigiu os 2o e 3o CNPs.

Para Wilson Lang, segundo a falar, o CNP é um momento de franqueza. O ex-presidente do Confea defende que as decisões do CNP devem respeitar três condições: consenso, segurança jurídica e sustentabilidade ambiental. “Os protagonistas são os profissionais e as entidades de classe regionais e nacionais. O Sistema dá a estrutura”, enfatizou. Lang destacou o Código de Ética Profissional como o principal fruto do 4o CNP (2001) e explicou que o 5o CNP (2004) teve um caráter mais amplo e teórico, quando se discutiu planejamento nacional. Wilson Lang presidiu o Confea de 2000 a 2005 e dirigiu os 4o e 5o CNPs.

Após as exposições de seus antecessores, Marcos Túlio de Melo – que presidiu o Confea de 2006 a 2011, passando pelos 6o e 7o CNPs – traçou a perspectiva macro dos debates. “Temos que ter a consciência clara de que nós fazemos parte de um momento histórico que não começa conosco e não termina conosco. Percebo claramente que ao longo dessa história nós estamos evoluindo e que as coisas não acontecem quando estão planejadas e propostas. Acontecem ao longo do processo, que perpassa gerações”, analisou e citou como exemplo as eleições diretas no âmbito do Sistema: “Não se consolidaram no tempo em que se debatia, mas, no seu devido tempo, sim”.

O 8o Congresso Nacional de Profissionais terá sua plenária inicial na manhã desta quinta-feira. Depois, os delegados se dividirão em grupos para votar as propostas. No sábado, a plenária final definirá o que já está definitivamente aprovado e rejeitado e quais itens comporão a pauta da segunda etapa, a ser realizada em novembro, em Brasília.

Fonte: Confea

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.