Seminário na Seicom apresenta potencial do petróleo e gás natural


A produção de petróleo e gás natural deverá ser focada no Pará, em um período de 10 anos e o estado deverá estar preparado para receber a cadeia produtiva e industrial que virá agregada aos produtos. Esse foi um dos pontos apresentados nesta quarta-feira (18), pelo professor Estanislau Luczynski, coordenador de Política e Economia Mineral da Universidade Federal do Pará, durante seminário na Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração do Pará (Seicom).

No seminário, o professor mostrou uma prévia do que vai explanar no primeiro "Painel de Gás & Petróleo", que o Governo do Estado, por meio da Seicom, promove dia 26 de setembro próximo, em Belém. O encontro vai debater o papel dos insumos energéticos fundamentais para o desenvolvimento do estado, com foco no aumento da utilização do gás natural e petróleo na matriz energética paraense.

O petróleo, por exemplo, segundo o professor, é composto por cerca de 3,6 mil substâncias e o ideal para uso tem cerca de 190 milhões de anos. O produto está associado a grandes eventos geológicos do planeta, sendo que as bacias brasileiras são ricas em petróleo dessa fase. "Por incrível que pareça, apesar de sua riqueza, até hoje só usamos cerca de 10% de todo o petróleo que existe no mundo", informa Luczynski.

Quanto ao gás natural, sua adoção como insumo enrgético é a tendência para os próximos anos. É um produto considerado superior ao carvão e pode substituir a eletricidade na geração de frio ou calor. Por seu valor, ainda segundo Luczynski, poderá funcionar como ferramenta para atração de investimentos para o estado. "O gás natural apresenta ainda menor impacto ambiental, tende a ser menos poluente que o diesel, pode substituir a gasolina ou o diesel nos veículos e, num comparativo, um tanque cheio de um veículo custaria em torno de R$ 20 em gás natural".

Há indícios de que há petróleo e gás natural a ser explorado no Pará. "Em termos de potencial, essa é uma realidade. E a nossa tendência é receber essa produção e todo o investimento agregado a ela nos próximos 10 anos. Devemos estar preparados para isso", diz ainda Estanislau Luczynski.

"O material aqui apresentado pelo professor Estanislau nos entusiasma por concluir que o potencial de mobilização do petróleo e do gás natural são imensos. O Painel que planejamos para o dia 26 de setembro tem tudo para atrair empresas e novos investimentos para o estado e isso é muito importante. Vamos estudar e trabalhar a ideia para termos um evento de primeira grandeza", informou o secretário da Seicom, David Leal.

O "Painel de Gás & Petróleo" é promovido pela Seicom em parceria com a Amut, Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), Universidade Federal do Pará (UFPA), Conselho regional de Engenharia e Agronomia do Pará (Crea-Pa) e Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó (Amam), e acontece no auditório Albano Franco, da Fiepa.


 


Fonte: Agência Pará

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.