AL discute implantação do curso de agronomia na Unemat de Sinop

Sinop, 500 km de Cuiabá, é a quarta maior cidade de Mato Grosso, além de ser considerada “cidade universitária” por possuir nove instituições de ensino superior e uma população acadêmica de 14 mil estudantes.

Devido a grande demanda no município, a Assembleia Legislativa discutiu nesta sexta-feira (13), a implantação do curso de Agronomia no Campus da Unemat, em Sinop. Para o deputado requerente da audiência, Baiano Filho do PMDB a discussão em torno do curso é um salto importante para o crescimento da instituição.

“A instituição está num momento de inicio de mudanças”. Ele comentou que recentemente a AL aprovou a PEC da Unemat, que trata dos repasses constitucionais da universidade que irá proporcionar um crescimento de 1% da receita até 2017. “A instituição terá mais recursos para realizar incrementos e direcionar suas prioridades para oferecer melhores condições”, destacou Baiano.

O acadêmico de administração e responsável pelo Diretório Central dos Estudantes da UNEMAT, Milton Mauad é contra a proposta. "Eu não vejo uma necessidade de criar esse curso no momento por causa da falta de estrutura”, comentou. Silvano Amaral representante da Prefeitura de Sinop, disse que o curso virá fortalecer ainda mais o ensino superior na região. Já Adil Alves da Associação de Docentes da Unemat também se mostrou favorável a proposta, entretanto, reforçou a necessidade de consolidar a infraestrutura.

“A instituição é voltada para os interesses da sociedade mato-grossense, no entanto é preciso entender como fazer para ampliar a oferta de cursos em função do planejamento dos recursos da Unemat. É logico que a demanda é real, porém temos que fazer uma analise mais precisa”.

O diretor pedagógico da Unemat, Marion Machado Cunha destacou que desde a criação da instituição em Sinop (1990) o maior desafio não diz respeito somente ao orçamento, mas sim, a formação de profissionais. Marion afirmou que o primeiro passo para a implantação do curso de agronomia, no período noturno, é organizar a infraestrutura. Na oportunidade, o acadêmico de engenharia civil, Cristiano Soares relatou algumas deficiências estruturais que precisam ser sanadas antes da expansão de alguns cursos.

“É preciso manutenção nas dependências do campus como, por exemplo, adequação nas salas de aulas, aquisição de mais equipamentos (data-show, ar-condicionado, computadores e softwares), construção de um laboratório para atender os alunos do curso de engenharia elétrica, biblioteca”. De acordo com informações da instituição para implantar o curso é preciso construção de novas salas, contratação de professores, equipamentos de laboratório específicos, viabilização de veículos, disponibilização de área para campo experimental. A Unemat de Sinop existe a mais de 23 anos, possui oito cursos sendo (ciências econômicas, contábeis, administração, pedagogia, letras, matemática, engenharia civil e elétrica). São 36 salas de aulas, laboratórios, anfiteatro, biblioteca e área esportiva.

O orçamento é estimado em R$ 600mil. Nos campis de Alta Floresta, Cáceres, Nova Xavantina e Tangará da Serra já existe o curso de Agronomia e são oferecidos em período integral totalizando 4.080 horas com duração de cinco anos e abertura de 40 vagas semestrais. Ao fim das discussões Baiano Filho avaliou como positivo os questionamentos da classe acadêmica. “Percebemos a satisfação da universidade em relação a PEC da Unemat em relação ao aumento dos recursos e também o interesse alguns em buscar a capacitação profissional mesmo que no período noturno como é a proposta”, analisou ao reconhecer urgente necessidade de melhorar o espaço físico da instituição. “Recebemos as demandas e vamos buscar melhorias nesse sentido”, garantiu o parlamentar.

 

Fonte: CenarioMT (www.cenariomt.com.br)

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.