Nova norma para estruturas de aço em situação de incêndio entra em vigor

A partir de sábado (14/9) entra em vigor a normativa da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que estabelece os requisitos para o projeto das estruturas de aço e das estruturas mistas de aço e concreto em situação de incêndio de edificações.
Entra em vigor a partir deste sábado (14/9), a nova normativa da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a NBR 14.323, que define sobre os projetos de estruturas de aço e de estruturas mistas – que aliam concreto e aço – de edifícios em situação de incêndio. A instrução técnica estabelece condições que os elementos estruturais que integram as edificações devem ter para, em situação de incêndio, seja evitado o colapso estrutural da construção. O regramento que estabelece os requisitos de resistência ao fogo para estruturas, tinha origem normativa antiga de 1999, mas passou por avaliações técnicas até vigorar.
De acordo com o secretário da comissão de estudos que coordenou a revisão, Ricardo Hallal Fakury, a nova normativa traz modificações em relação aos métodos e procedimentos para obter os esforços solicitantes e esforços resistentes de cálculo. Além disso, a NBR 14.323 passou a incluir em seu texto o dimensionamento de perfis formados a frio. Os materiais de acabamento e revestimento deverão elevar a resistência ao fogo, para aumentar o tempo necessário até que a temperatura critica seja alcançada.
De acordo com a ABNT, "a normativa, com base no método dos estados-limites, estabelece os requisitos para o projeto das estruturas de aço e das estruturas mistas de aço e concreto em situação de incêndio de edificações cobertas pelas ABNT NBR 8800 e ABNT NBR 14762, conforme os requisitos de resistência ao fogo, prescritos pela ABNT NBR 14432 ou legislação brasileira vigente".
Fakury destaca que a norma deve evitar o colapso estrutural em condições que prejudiquem a fuga dos usuários da edificação e, quando for o caso, evitar soluções que prejudiquem a aproximação e o ingresso de pessoas e equipamentos para as ações de combate ao fogo. 

Fonte: Correio Braziliense

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.