Receituário Agronômico: Profissionais de agronomia e revendedores discutem importância deste documento

Com o objetivo de discutir a unificação e adequação das informações relacionadas à expedição de receituário agronômico no Estado Tocantins, a Associação dos Engenheiros Agrônomos do Tocantins – AEATO e Sindicato dos Engenheiros, Arquitetos e Geólogos no Estado do Tocantins – Seageto com o apoio da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins – Adapec e Secretaria Estadual de Agricultura e Pecuária realizou nesta terça-feira, 28, no auditório da Seagro, palestra sobre receituário agronômico para cerca de 50 pessoas, entre engenheiros agrônomos, engenheiros florestais, técnicos agropecuários e revendedores de produtos agrotóxicos.
A palestra foi ministrada pelo engenheiro agrônomo da Adapec, Carlos César Barbosa que apresentou um panorama sobre o uso de agrotóxico no Tocantins, legislação pertinente ao receituário agronômico, obrigações das indústrias, revendas, agricultores e poder público. Ele destacou a relevância deste documento para o profissional e na defesa sanitária vegetal: “O receituário agronômico é um documento através do qual o profissional se identifica e prescreve o tratamento preventivo e ou curativo em função do seu diagnostico, orientando o usuário sobre como proceder ao utilizar um agrotóxico ou outra medida alternativa na defesa sanitária vegetal,” definiu Barbosa.
O presidente da AEATO, José Vieira Jucá destacou que este instrumento é importante para os profissionais que trabalham com ele, pois compartilham responsabilidade, tanto na prescrição, revenda, aplicação e recolhimento. “Estamos debatendo este assunto com todos os envolvidos nesta cadeia, pois é fundamental termos um alinhamento na prescrição do receituário.” Jucá ainda lembrou que este tema está na pauta do Congresso Brasileiro de Agronomia que acontece no mês de novembro em Cuiabá – MT.

“Já trabalhamos com a prescrição do receituário na nossa empresa, fazendo todas as orientações necessárias aos produtores desde manuseio, aplicação, necessidade dos equipamentos de proteção individual até a devolução, conforme prevê a legislação, mas vim aqui para debater este tema porque considero fundamental para as empresas revendedoras,” disse Erlandes Azevedo Machado, representante de uma casa agropecuária.
A palestra foi prestigiada pelo secretário Municipal de Desenvolvimento Rural, Roberto Sahium, além de representantes do Ruraltins, Adapec, Seagro, Superintendência Federal da Agricultura no Tocantins, Seageto, Crea, AEATO e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural.

Fonte: http://surgiu.com.br/ 

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.