Concre House – Revolução no mercado da construção civil

O Brasil tem um déficit habitacional de oito milhões de moradias, e não é segredo pra ninguém que os custos da construção civil são altíssimos. O metro quadrado passou a custar R$ 924,21 em março de 2013. O custo dos materiais subiu 0,22% e chegou ao valor de R$ 457,60 por metro quadrado. Já o custo da mão de obra aumentou 0,14% e passou a custar R$ 407,43.

Um fator importante que incide diretamente nos custos da construção civil é a ineficiência nos sistema de produção das obras ocasionando perdas e desperdício. A origem das perdas pode estar no próprio processo de produção quanto nos processos que o antecedem, como fabricação de materiais, preparação dos recursos humanos, projetos, suprimentos e planejamento. Uma medida importante para reduzir as perdas é integrar o uso de tecnologias novas à construção civil.

O método de construção com formas de resina termoplásticas modulares vem sendo desenvolvido há 12 anos pelo arquiteto e urbanista Claudio Barcellos.  Em 2005, foi montado o primeiro protótipo no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-riograndense, e de lá pra cá, já foram construídos mais de 20 mil metros quadrados de residências nesse modelo, nas regiões de Pelotas, Porto Alegre e região Metropolitana de Campinas. 

O sistema possibilita obras em diversos padrões de acabamento com ganho de qualidade e durabilidade e é constituído de formas termoplásticas preenchidas por graut (concreto com pedrisco de brita), resistindo a uma sobrecarga 10 vezes maior do que a necessária conforme a NBR 16055 aprovada pela Caixa Econômica Federal.  A tubulação hidráulica e elétrica é embutida no processo construtivo e o acabamento interno é revestido com massa fina nas paredes e no teto, piso e paredes cerâmicas nas áreas frias. 

O resultado é uma construção com rapidez e durabilidade muito maior do que o método construtivo convencional. 

Quem desenvolveu

Natural de Pelotas, o arquiteto e urbanista Claudio Barcellos, dedica-se a novas metodologias e técnicas para melhorar a construção civil no Brasil já há mais de 20 anos. Preocupado em sustentabilidade com baixo custo e facilidade na operacionalização, Claudio ganhou em 2001 o prêmio da CEF – Caixa Econômica Federal e IAB – Instituto de Arquitetos do Brasil na categoria “Soluções alternativas para construções de baixo custo no Brasil” e continua incansavelmente a procura de novas metodologias junto á incubadora do Instituto Federal de educação, Ciência e Tecnologia Sul-riograndense.

 

Fonte: Obra 24 horas

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.