De acordo com CNI, atividade na construção civil cai em junho

 
Nível de atividade do setor não cresce desde março de 2012 

A atividade da construção civil continuou a se retrair em junho, acompanhando o enfraquecimento da atividade econômica, segundo a pesquisa "Sondagem da Indústria da Construção", divulgada nesta terça-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A entidade informou que o indicador que mede o nível de atividade do setor caiu para 44,3 pontos em junho, de 46,9 pontos em maio. O índice vai de zero a cem pontos e resultados abaixo de 50 indicam retração.

O nível de atividade do setor da construção não cresce desde março de 2012 e desde dezembro mostra retração.

A pesquisa mostra que os três segmentos dessa indústria – construção de edifícios, obras de infraestrutura e serviços especializados – mostram desaquecimento. O que apresenta maior retração é o de construção de edifícios. "Há incertezas por parte do consumidor em relação ao futuro, o que prejudica sua disposição a assumir financiamentos de longo prazo", diz a CNI.

A atividade em relação à usual para o mês ficou em 42,3 pontos em junho, o que demonstra atividade menor do que o normal para junho. Esse é o pior resultado da série, que se iniciou em 2009. Em maio, esse indicador apontava 44,8 pontos.

Já a Utilização da Capacidade Operacional (UCO) foi de 68% em junho, ante 69% em maio.

Expectativa

A CNI também mostra que, em julho, a expectativa das empresas sobre a evolução do nível de atividade nos próximos seis meses é de crescimento, com indicador em 54,6 pontos. Mas esse é o menor indicador de expectativa da série, 5,6 pontos abaixo da média histórica. A expectativa com relação a novos empreendimentos e serviços também apresenta o menor nível de otimismo da série. O indicador situa-se em julho em 54,4 pontos, 5,9 pontos abaixo da média histórica.

Emprego em baixa

Reflexo da queda da atividade, o indicador do número de empregados ficou em 45,5 pontos em junho, ante 47,4 pontos em maio deste ano. "Desde abril de 2012 a construção não expande o quadro de funcionários", observa a CNI na pesquisa. Segundo a entidade, a redução no quadro de funcionários é disseminada entre as empresas do segmento.

Otimismo em queda

O desempenho negativo da indústria da construção em junho levou os empresários do setor a reduzir o otimismo em relação à atividade de suas empresas para os próximos seis meses.

Apesar de o indicador de julho ter atingido 54,6 pontos, o que demonstra esperança de retomada na atividade, esse é o menor resultado desde o início da série, em 2009. Em junho, o índice foi de 55,9 pontos.

O indicador varia de zero a cem pontos. Resultados acima de 50 pontos indicam otimismo para os próximos seis meses.

A expectativa quanto a novos empreendimentos e serviços caiu para 54,4 pontos em julho, ante 55,6 pontos em junho.

Também teve queda o indicador de compra de insumos e matérias primas (passou de 54,5 pontos em junho para 54,4 pontos em julho).

Por outro lado, a expectativa quanto ao número de empregados teve uma leve alta: ele saiu de 54,3 pontos em junho para 54,7 pontos em julho.

Fonte: O Globo

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.