Representada por seu presidente, Mútua participa de CEP, em Pernambuco

Compuseram a mesa de abertura do 8° CEP-PE: Cláudia Fernanda, integrante da Comissão do CEP; Cláudio Calheiros, diretor-presidente da Mútua; José Mário Cavalcanti, presidente do Crea-PE e Augusto Coutinho, deputado federal por Pernambuco 

 

O presidente da Mútua, engenheiro agrônomo Cláudio Calheiros, representou a Instituição na abertura do 8º Congresso Estadual de Profissionais de Pernambuco (CEP-PE), realizado pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) e pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), com apoio da Mútua, no Mar Hotel, no Recife, na última sexta-feira (12).

O evento tem o objetivo de debater, propor e desenvolver de forma pactual, um conjunto organizado de ações, que passará a denominar-se “Marco legal: competência profissional para o desenvolvimento nacional”. As propostas aprovadas pelos presentes nesta reunião serão encaminhadas para debate no Congresso Nacional Profissional (CNP), que será realizado no período de 11 a 13 de setembro deste ano, em Gramado, no Rio Grande do Sul.

Durante o discurso de abertura, o presidente do Crea-PE, José Mário Cavalcanti, destacou que “não é coincidência” a preocupação por mudanças dos profissionais que integram o Sistema e a onda dos movimentos sociais que está ocorrendo por todo País. “Esta é uma rara oportunidade de ajudarmos a aprimorar a Lei 5.194/66. Digo rara porque está ocorrendo em meio a uma efervescência de eventos sociais nas ruas do Brasil, protagonizado pela população brasileira de todas as camadas sociais, clamando por uma Nação mais presente e mais justa para o cidadão brasileiro. É o mesmo sentimento que nos move as mudanças do marco regulatório. Almejamos refazê-la para torná-la mais ágil, moderna, justa e mais próxima dos profissionais e da sociedade”, explicou.

Na opinião do presidente, a Lei 5.194, de quase 50 anos de promulgada, não atende na íntegra as necessidades da sociedade. “O aumento da demanda do País cresce de forma acelerada e desordenada, deixando de atender as mais básicas carências da maioria do seu povo. Estamos todos nós, profissionais e sociedade, irmanados dos mais sublimes e obstinados desejos de lutas por uma sociedade mais justa, mais igual e mais presente em todas as suas obrigações para melhor atender e universalizar os bens de consumo e os serviços públicos de toda natureza para a população”, disse o presidente. 

Para ele, é importante que haja alterações na Lei 5.194/66, que está ultrapassada e não atende mais aos anseios dos profissionais e da população. “É uma utopia imaginar que uma lei criada em 1966, numa sociedade que iniciava um longo caminho de convivência com regime de exceção, com um mundo ainda não globalizado e sem viver e conviver com os grandes saltos tecnológicos em todos os campos das ciências exatas e da natureza, seja capaz de conciliar todos os anseios e perspectivas do mundo profissional e do trabalho”, disparou. 

Participaram do evento o deputado federal e engenheiro civil Augusto Coutinho (DEM-PE); o diretor geral da Mútua, Claudio Calheiros; o ex-presidente do Confea e da Mútua, Henrique Luduvice; o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Pernambuco (CAU-PE), Roberto Montezuma; o 1º vice-presidente do Crea-PE, Arnaldo Cardim; o vereador do Recife, Jurandir Liberal, o coordenador adjunto do CEP-PE, Nielsen Christianni; a engenheira de Pesca Cláudia Oliveira (CEP-PE); os inspetores Antônio Dagoberto; Edilberto Barros; Evandro Alencar (presidente da Assengea); Roberto Correia; Ernando Alves Filho; Ivo Câmara Cavalcanti; o presidente da Abenc, Marcos Maciel; o presidente do Clube de Engenharia, Alexandre Santos; o presidente do Senge, Fernando Freitas, o presidente do Sintec-PE, Jessé Lyra, entre outros.

 

Fonte: Crea-PE, com adaptações.

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.