Emprego na construção fica estável em maio

O nível de emprego na construção paulista recuou, no mês em maio, 0,07% em relação a abril, segundo pesquisa elaborada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O número de trabalhadores contratados no Estado pelas empresas do setor chegou a 901,1 mil pessoas. 656 a menos do que o verificado pelas entidades no mês anterior.

No período, a capital apresentou crescimento, com a contratação de 700 trabalhadores. Também apresentaram elevação as cidades de Bauru, com 269 novas vagas, Presidente Prudente, com 197, Campinas, com 97, e Santo André, com 77.

Sorocaba apresentou o maior corte de postos de trabalho no mês (895), seguida de São José do Rio Preto (723). Os municípios de Ribeirão Preto, com 180 vagas a menos, São José dos Campos e Santos, ambas com 99 completam alista de baixas no mês de maio.

Considerando o resultado acumulado do ano, a construção paulista expandiu, empregando mais 344 mil trabalhadores, o que representa alta de 3,97%. Em 12 meses, houve acréscimo de 8,7 mil pessoas no quadro das companhias do setor, avanço de 0,98%.

No Brasil, o nível de emprego na construção civil recuou 0,05% em maio na comparação com abril, com a fechamento de 1.751 vagas. O desempenho é bem inferior ao registrado em maio de 2012, quando a construção civil registrou 17,2 mil novas contratações.

Nos primeiros cinco meses do ano, o setor empregou mais 112,5 mil trabalhadores, o que representa crescimento de 3,34%. No acumulado dos últimos 12 meses, foram contratadas 214 mil pessoas, acréscimo de 0,62%.

Com o resultado, em maio o setor empregava 3,486 milhões de trabalhadores em todo país. Segundo o presidente do SindusCon-SP, Sérgio Watanabe, "a estagnação do ritmo de emprego no setor decorre da diminuição dos investimentos no País e, assim, reflete um momento de inflexão, que esperamos reverter nos próximos meses".

Em maio, as regiões Sul e Centro-Oeste registraram elevação no nível de emprego. Ao final do mês, o Sudeste concentrava 1,764 milhão de trabalhadores da construção civil no País; seguida pelo Nordeste (729,2 mil); Sul (491,8 mil); Centro-Oeste (285,6 mil) e Norte (215,2 mil).

Do Oiapoque ao Chuí

3,486 mi – Foi o número de trabalhadores formais na construção brasileira no mês de maio, segundo pesquisa do SindusCon-SP e da FGV.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.