Confiança recua na construção

Índice de Confiança da Construção (ICST) recuou 3,6% no trimestre

Após um começo de ano com atividade fraca, o setor da construção civil parece ainda não sinais de uma retomada consistente no segundo trimestre, o que, segundo expectativas dos empresários, só deve ocorrer mais à frente. Medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Construção (ICST) recuou 3,6% no trimestre encerrado em junho sobre igual período do ano anterior, para 120 pontos. Em maio, na mesma comparação, essa retração havia sido maior, de 4,3%.

Para Ana Maria Castelo, coordenadora de pesquisas na área de construção da FGV, a redução no ritmo de queda pode significar uma relativa melhora, que precisa ser avaliada com cautela. "O índice de emprego do Caged mostrou contratações negativas no setor pela primeira vez em maio."

Divulgada pela primeira vez nesta edição da pesquisa, a comparação mensal do ICST, ao contrário da trimestral, não mostra tendência mais alentadora. Em junho, o indicador caiu 4,8% sobre o mesmo mês do ano passado, ante recuos de 2,6% e 3,4% em abril e maio, respectivamente. Tanto na medição trimestral como anual, os empresários se mostraram menos otimistas com a situação atual dos negócios. Entre abril e junho, o Índice da Situação Atual (ISA) recuou 7,2% ante igual período de 2012. Na comparação entre junho de 2013 e igual mês de 2012, a queda foi mais acentuada, de 9,2%.

Segundo Ana Maria, após o boom de 2010, que elevou custos e reduziu a rentabilidade, as empresas do setor agora passam por um momento de ajuste. Além de problemas com escassez de mão de obra qualificada e aumentos de salários acima da produtividade, houve redução da demanda do setor, diz.

Fonte: Valor Econômico

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.