Brasil na rota do chocolate gourmet


Aos poucos as boas práticas agrícolas vão se disseminando pelas lavouras de cacau do Brasil, o que tem ajudado a conferir mais qualidade ao produto nacional, hoje procurado por chocolaterias do mundo inteiro. “Há 10 anos poucas empresas da Europa se interessavam pelo nosso cacau, mas atualmente muitas nos procuram a fim de produzir chocolate gourmet, pois somos o único país do mundo com capacidade de surpreender em variedade de cacau”, diz Eimar Sampaio, diretor da empresa M. Libanio Agrícola, da Bahia, que produz atualmente 400 toneladas por ano de cacau. 

Trabalhos como o realizado pela Imaflora, em parceria com o Instituto Cabruca, evidenciam a necessidade de se realizar um manejo sustentável como forma conservar a fauna e a flora, a saúde e a segurança dos trabalhadores, a conservação do solo e dos recursos hídricos, o manejo de resíduos e as boas relações com as comunidades. 

“Na região de São Felix do Xingu (PA) onde os plantios não são tão antigos, com cerca de 20 anos, conseguimos recuperar solos degradados, frear o desmatamento e melhorar a qualidade das amêndoas”, diz Matheus Couto, coordenador de projetos do Imaflora. Na região, já é possível colher 2 toneladas de amêndoas, com 80% frutos bem fermentados. 

Na avaliação de Eduardo Trevisan Gonçalves, Secretário-executivo da Imaflora, as boas práticas de manejo envolvem desde o plantio do fruto, passando pela enxertia, poda, colheita fermentação e a secagem. “Em Rondônia, onde um novo polo de cultivo está sendo instalado, com os agricultores usando o cacau para reflorestamento, muitos produtores tinham um sistema de fermentação bastante rudimentar e usavam sacos para armazenar as amêndoas no meio da floresta”, diz Katia Menezes, analista de mercado da Indeca, beneficiadora de cacau, que trabalha somente com o fruto nacional. 

A Indeca começou a comprar o cacau de Rondônia 6 anos atrás, quando apenas 62% dos grãos adquiridos resultavam em produto com boa fermentação. “Hoje já recebemos produto com, no mínimo 74% de grãos bem fermentados”,diz Kátia, que defende que com pouco investimento e muita informação é possível dobrar a produção e melhorar a qualidade em diversas regiões produtoras do país. 

O Brasil se posiciona entre os dez maiores produtores de cacau do mundo, mas ao invés de investir no aumento da safra, está optando por melhorar a qualidade de suas amêndoas. “Catalogamos 23 variedades na Bahia aptas a serem usadas na produção de chocolate gourmet, que responde por apenas 5% da produção mundial de cacau (estimada em 1,5 milhão de toneladas)”, diz Sampaio. 

Fonte: Revista Globo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.