Por essa você não esperava: no Brasil tem terremoto sim!

Minha terra tem palmeiras… e terremotos também! Desde pequenos ouvimos falar que o Brasil não sofre terremotos porque está em cima de uma única placa tectônica e não no encontro das placas. Porém, a cada cinco anos, mais ou menos, acontece um terremoto considerado robusto em solo nacional.

As placas tectônicas podem se movimentar de formas diferentes: convergente (quando colidem), divergente (em direções opostas) e transformante (separação de placas que se deslocam lateralmente). Quando as placas colidem, originam os terremotos de borda de placa, que são mais fortes. Os terremotos intraplaca são, normalmente, mais fracos, como os que ocorrem no Nordeste do Brasil.Minha terra tem palmeiras… e terremotos também! Desde pequenos ouvimos falar que o Brasil não sofre terremotos porque está em cima de uma única placa tectônica e não no encontro das placas. Porém, a cada cinco anos, mais ou menos, acontece um terremoto considerado robusto em solo nacional.

As placas tectônicas podem se movimentar de formas diferentes: convergente (quando colidem), divergente (em direções opostas) e transformante (separação de placas que se deslocam lateralmente). Quando as placas colidem, originam os terremotos de borda de placa, que são mais fortes. Os terremotos intraplaca são, normalmente, mais fracos, como os que ocorrem no Nordeste do Brasil.

O Brasil localiza-se sobre a placa Sul Americana e, embora esteja sobre uma única placa, ela possui falhas geológicas que podem originar os terremotos. Em 2002, pesquisadores brasileiros identificaram 48 falhas/fissuras geológicas no país. Em 2016, foram registrados 221 tremores no Brasil, um valor considerado dentro da média. Nos primeiros dias de 2017, um terremoto de 4.6 graus na escala Richter atingiu o Maranhão.

A escala Richter é uma escala logarítmica que mede a magnitude de um terremoto. Por exemplo, a magnitude 7 é dez vezes maior que a 6 e cem vezes maior que a magnitude 5.

A primeira morte relacionada a um terremoto no Brasil ocorreu em 2007, em Caraíbas, no norte de Minas Gerais, com intensidade de 4.9 graus na escala Richter. Porém, esse não foi o maior tremor que atingiu o país: em 1955, um terremoto no Mato Grosso atingiu 6.2 graus de magnitude.

Além de ter seus “próprios” terremotos, o Brasil ainda é suscetível aos efeitos dos tremores em países vizinhos. Em 1994, Porto Alegre foi atingida pelos efeitos de um terremoto na Bolívia (a mais de 2000 km de distância) que ocorreu a 600km abaixo da superfície. Além do Rio Grande do Sul, outros nove estados também sentiram os tremores.

Mapa interativo

Os tremores que ocorrem no Brasil são raramente notados porque são, em maior parte, de baixa magnitude. Alguns são confundidos pela população com detonações em áreas de mineração, por exemplo. É possível ver um mapa interativo dos terremotos do mundo no site do USGS (United States Geological Survey)  e no site do Centro de Sismologia da USP.

Referências: CPRM; IGC-UFMG; Super; Correa (2010); Fundamentos de Geologia: Wicander e Monroe (2010).

Fonte: http://blogdaengenharia.com/

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.