Presidente da ONG Trânsito Amigo destaca que para entender o verdadeiro significado da campanha ‘Maio Amarelo’ é preciso conhecer sua origem

Em novembro de 2009, em Moscou, 120 países se reuniram sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU), com a presença da Federação Internacional de Automóveis (FIA), para refletir sobre as drásticas estatísticas referentes às vítimas de trânsito: 1,3 milhões de mortes anuais em acidentes de trânsito no mundo e 50 milhões de feridos. Deste encontro, estabeleceu-se o ‘Pacto Década da Segurança Viária – 2011/2021’, em que os países ali presentes concordaram em, a partir de MAIO de 2011 até MAIO de 2021, adotar medidas para a redução de 50% desses números. Já o AMARELO presente no nome do movimento, diz respeito à cor amarela da sinalização viária, que significa atenção.

O relato da origem do ‘Maio Amarelo’ foi feito pelo presidente da ONG Trânsito Amigo (Associação de Parentes, Amigos e vítimas de trânsito), Fernando Diniz, enfatizando que muitas pessoas desconhecem esse histórico e a representatividade desse movimento. “O Maio Amarelo foi criado dentro desse pacto fechado em Moscou, que tem a intenção de salvar 6,5 milhões de pessoas anualmente, ou seja, metade das vítimas de trânsito no mundo”, reforça.

Com esses números alarmantes e sabendo que, caso não fossem tomadas atitudes para reverter esse quadro as estatísticas aumentariam, pois a cada ano cresce significativamente a frota de veículos em todo o mundo, assim como a população e os motoristas habilitados, Fernando qualifica que a principal função do Maio Amarelo é sua simbologia. “Assim como no Natal presenteamos nossos entes queridos e na Páscoa oferecemos chocolates e ao longo do resto do ano continuamos comprando presentes e chocolates, o mesmo deve acontecer com o que representa o Maio Amarelo, que deve continuar na vida de todas as pessoas que compõem o trânsito, por 365 dias do ano”.

Para o presidente da ONG, contudo, o que ainda se vê é um “desrespeito generalizado” e medidas infrutíferas. “Todos os dias vemos pessoas atravessando fora da faixa de pedestre, motociclistas andando nas ciclovias, motoristas em alta velocidade e a aplicação de multas apenas pelo desrespeito às Leis e para arrecadar. O correto seria que as pessoas entendessem que, por exemplo, ao dirigir em alta velocidade, um acidente pode ocorrer. Reforço que o Maio Amarelo deve permear a vida das pessoas durante todo o ano. Não falo isso apenas como presidente da Trânsito Amigo, mas também como um pai que perdeu um filho em um acidente de carro”, revela.

Trânsito Amigo

Após perder tragicamente seu filho Fabrício Diniz aos 20 anos, Fernando Diniz criou a ONG com o objetivo de disseminar informações, propor ações e conscientizar a população sobre as consequências das más condutas no trânsito. Atuando na identificação, planejamento, desenvolvimento, promoção e divulgação de medidas, ações e iniciativas – no campo legal, social, institucional e educativo – a Trânsito Amigo contribui para reduzir a frequência, a gravidade e as consequências da violência de trânsito nas ruas, estradas e rodovias brasileiras. Além disso, presta apoio emocional, jurídico e social às vítimas e aos familiares de vítimas da violência e de acidentes de trânsito.

Para saber mais sobre o trabalho da ONG, acesse: http://transitoamigo.com.br/website/


Fernando Diniz em ação educativa promovida pela Trânsito Amigo

 

 

Fonte: Gecom/Mútua

Foto: Arquivo ONG Trânsito Amigo

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.