Agricultura faz diagnóstico da produção de milho na capital

Levantamento consiste em aplicação de questionário e visita a campo para identificar dificuldades dos agricultores. Objetivo é auxiliar a elaboração de políticas públicas

 

Ao contrário do informado anteriormente, a estimativa do agricultor Roberto Paludo é colher 1,2 tonelada de milho por hectare, e não apenas 1,2 tonelada. Da mesma forma, no ano passado, foram colhidas 7 toneladas por hectare, e não apenas 7 toneladas. Além disso, as 115 propriedades a serem estudadas têm pivô central e também produzem outras culturas irrigadas.

Até sexta-feira (29), 72 propriedades rurais produtoras de milho receberão a visita de equipes da Expedição Safra-Brasília. O projeto, iniciado hoje (27), tem o objetivo de reunir informações que ajudem a fomentar a elaboração de políticas públicas para o setor e a melhorar a prestação de assistência técnica nas próximas safras.

Para isso, será feito um diagnóstico dos problemas enfrentados pelos agricultores. Participam da pesquisa técnicos da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), das Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A expedição conta ainda com o apoio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O levantamento consiste na aplicação de questionário com 35 perguntas e na visita a campo. "Os dados nos darão subsídios para o planejamento de ações", explica o secretário da Agricultura, José Guilherme Leal.

Etapas
Este é o primeiro ano da Expedição Safra-Brasília. A etapa inicial foi em janeiro, quando 64 produtores de soja foram visitados em três dias. A terceira e última será de 24 a 26 de agosto, com o estudo de 115 propriedades que têm pivô central e produzem feijão e outras culturas irrigadas.

Os 72 agricultores visitados nesta segunda fase correspondem a uma amostra de 37,5% das propriedades rurais de milho do DF. A área total pesquisada tem 36.903 hectares. Entre as ações dessa etapa está a Roda de Prosa, nesta quinta-feira (28), às 19 horas. Com a presença do secretário José Guilherme Leal, o encontro é voltado para plantadores do grão e será na região do Núcleo Rural Taquara, em Planaltina.

O encerramento do diagnóstico feito nesta semana ocorrerá com o encontro técnico na Feira Internacional dos Cerrados – AgroBrasília, no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci, no km 5 da BR-251, em 11 de maio. Na ocasião, serão apresentados os resultados das etapas da soja e do milho. Além disso, haverá um estande da expedição durante os dias do evento, de 10 a 14 de maio.

Chuvas
O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) antevê a chegada das chuvas até sábado (30) em diversas áreas do Distrito Federal. O fenômeno já ocorre em locais isolados desde segunda-feira (25). Apesar da previsão, os produtores temem que a quantidade de água não seja suficiente para repor as perdas ocorridas na seca.

O secretário da Agricultura acredita que o trabalho da Expedição Safra-Brasília será árduo. O DF sofre com a falta de chuvas e isso afetou diretamente a segunda safra do ano, conhecida como safrinha, com plantio no fim de janeiro e início de fevereiro e colheita em abril e maio. "A perda de produtividade está em 50% e, se não chover até amanhã, esse índice tende a subir", avisa Leal. Em números, são 158 mil toneladas do grão a menos, com prejuízo de R$ 119 milhões e o não recolhimento de aproximadamente R$ 2,5 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

Para o agricultor Roberto Carlos Paludo, de 45 anos, um dos primeiros a receber os técnicos da Expedição Safra-Brasília, a estimativa é colher 1,2 tonelada de milho por hectare. No mesmo período no ano passado, foram 7 toneladas por hectare. Ele mora e trabalha em uma propriedade de 496 hectares na região de Planaltina e acredita que a expedição é uma maneira de se preparar para outros períodos difíceis. "Essa iniciativa ajuda na troca de conhecimentos para que as próximas safras sejam melhores." A equipe foi acompanhada pelo o secretário-adjunto da Agricultura, Sebastião Márcio Lopes de Andrade.

De acordo com levantamento da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, esse é o abril com menor registro de chuvas nos últimos dez anos: cerca de 230 milímetros. A média esperada é de 450 a 480 milímetros. Até então, o registro mais baixo havia sido em 2007, com 350 milímetros.

 

Fonte: Agência Brasília

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.