Profissionais das áreas tecnológicas debatem obras da Transposição do São Francisco

Pernambuco é o estado que menos conhece a Obra da Transposição do São Francisco, segundo o coordenador geral da Obra do São Francisco, Frederico Meira, do Ministério da Integração Nacional.  A informação foi repassada durante o debate “O Crea-PE e as Obras do São Francisco”, realizado na sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) na tarde desta terça-feira (08). Idealizado pelo presidente do Regional, Evandro Alencar, o encontro reuniu  engenheiros, técnicos e estudantes das  áreas tecnológicas integrantes do Sistema Confea/Crea e Mútua.

Em sua fala, Frederico Meira falou da satisfação de estar no Conselho Pernambucano e falou que, até então, o nosso estado é o que menos visita à obra, menos questiona e o que menos participa de maneira ativa do empreendimento. “Já recebemos técnicos da Paraíba, Ceará, Bahia e até de Alagoas, mas a participação pernambucana é muito pequena. Como pernambucano, me alegro de saber que o Crea Pernambuco tem interesse pela obra e pelas questões envolvidas nela. É uma enorme alegria vir até aqui para discutir um pouco sobre esse projeto tão importante para o Nordeste brasileiro”, afirma Meira.

Para o presidente do Conselho, o encontro suscitou a ideia de um debate mais amplo. “Estamos satisfeitos, mas as questões levantadas pelos técnicos no encontro, com certeza, vão servir de alicerce para um novo encontro. Questões como uso da água, roubo da água, questões ambientais, entre outros, estão em nosso foco”, destacou Evandro.

Questionado pelo presidente sobre o rompimento em um dos canais da obra da transposição ocorrida no dia 6 de fevereiro, Frederico explicou que a obra é dividia em 4 fases e o incidente aconteceu na primeira fase da execução e que nas próximas fases de construção da obra será utilizada uma nova tecnologia.  Ainda sobre a questão, Frederico esclareceu que realmente houve uma falha técnica, mas que não compromete a obra. “O rompimento aconteceu na fase de teste da obra. E é bom que tenha acontecido nessa fase para nos preparar-nos. O que a mídia deu destaque foi a um pequeno vazamento”, esclareceu.

Em resposta a pergunta sobre os acidentes de trabalho, Frederico explicou que o até 2013 apenas dois acidentes tinham sido registrados. “Depois que assumi a obra, nós tivemos uma morte. Todas as precauções são tomadas e temos um bom nível de desempenho nesta questão”, assumiu Meira.  Para finalizar, Frederico se colocou à disposição para responder outras dúvidas e  esclarecimentos futuros. Evandro agradeceu a presença de todos e afirmou que novos debates sobre o tema serão realizados.

 

Fonte: Cre-PE

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.