Crea-PB adere a força tarefa contra aedes aegypt

Fiscalização do órgão vai verificar focos do mosquito em obras

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Paraíba aderiu à campanha contra a proliferação do Aedes aegypt, inseto transmissor de doenças como a dengue, a febre chikungunya e também o zika vírus. Os fiscais do Conselho, ao realizarem suas vistorias diárias, farão ainda uma avaliação dos possíveis criadouros do mosquito no local. Uma campanha de conscientização entre os profissionais do Regional também será lançada.

Segundo o gerente de Fiscalização do Crea-PB, Antônio César, ambientes como canteiros de obras e plantações são mais suscetíveis ao aparecimento do inseto. Nas obras, por exemplo, carrinhos de mão, betoneiras, lajes, tonéis e fossos de elevador são espaços que podem armazenar água. “Estamos adicionando este procedimento à rotina de trabalho dos nossos fiscais em toda Paraíba com o intuito de encorpar a campanha de combate a este mosquito, que se tornou o grande desafio da saúde pública brasileira”, afirma. Além da sede, em João Pessoa, o Crea-PB tem inspetorias em Campina Grande, Itaporanga, Guarabira, Pombal, Patos, Cajazeiras e Sousa.

Antônio César lembra que o Conselho não tem prerrogativa legal para infringir qualquer tipo de multa ou sanção para empresas ou responsáveis técnicos responsáveis por obras que possuam focos do Aedes Aegypt, no entanto, afirma que esta é uma iniciativa de cidadania do Crea-PB. “Nossa atuação será no sentido de prevenir a proliferação de criadouros do mosquito e, principalmente, de conscientização das pessoas que trabalham nestes locais. Estamos exercendo nosso papel cidadão”, ressalta o gerente de Fiscalização.

Além de incorporar estas ações na rotina da Fiscalização, o Crea-PB está iniciando ainda uma campanha entre os profissionais registrados que, segundo a presidente do Conselho, são mais de 10 mil, e também seus familiares. Giucélia Figueiredo conta que a campanha de caráter educativo pretende alertar os profissionais da engenharia não só para o seu compromisso social, mas também ético e profissional. “Além do registro da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) da obra/serviço, o profissional registrado no Crea deve se ater a questões como a destinação de resíduos sólidos (entulho das obras) e conduta profissional, também fiscalizadas pelo Conselho”, lembra.

Para a presidente, a adesão à campanha de combate ao Aedes Aegypt é um dever social do Conselho. “Não estamos fazendo nada além do que lutamos para realizar todos os dias: servir a população, buscando contribuir para que, através da nossa atuação, os paraibanos tenham mais qualidade de vida”, justifica Giucélia.

 

Fonte: Crea-PE

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.