Crea-BA estrutura Operação Carnaval 2016

Três frentes de fiscalização trabalham por um carnaval sem acidentes

O carnaval esta chegando em Salvador e no pacote da alegria muito trabalho para os fiscais do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (Crea-BA). Estão envolvidos com a operação Carnaval 14 fiscais e um analista técnico que observam aspectos profissionais e técnicos, com uma única preocupação: a de fazer do carnaval uma festa sem acidentes.

Para isto, os funcionários do Crea-BA se dividem em três frentes de trabalho que se iniciam na quarta-feira (13) e seguirá até o dia 5 de fevereiro. A primeira envolve seis fiscais na vistoria dos trios elétricos, que observam se a estrutura metálica, instalações elétricas, grupos geradores, instalações hidráulicas, rede sanitária e extintores estão de acordo com as especificações técnicas federais.

A segunda frente de fiscalização envolve sete fiscais que atuam a montagem de arquibancadas e camarotes. Um dos principais itens vistoriados é a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), documentação que confere que por trás da obra existe a presença de um profissional da área tecnológica. Caso haja alguma irregularidade no exercício profissional de engenharia, o camarote é notificado.

O supervisor de fiscalização da Operação Carnaval, Jonas Amorim falou sobre itens que são analisados nos camarotes. “Verificamos os projetos, as empresas que estão participando do procedimento de montagem na fase inicial, a parte da segurança do trabalho onde solicitamos a implantação do programa de segurança que pode ser PPRA (Programa de prevenção a riscos ambientais) ou PCMAT (Programa de condições e meio ambiente do trabalho na indústria da construção) e as partes complementares, que são: instalação elétrica, aterramento, circuito especial de TV, grupos geradores, iluminação cênica, sonorização, sanitários químico e convencionais, elevadores (alguns camarotes instalam) e acessibilidade, onde atuamos em conjunto com o Ministério Publico, na verificação do cumprimento da lei de acessibilidade”.

A terceira frente de fiscalização envolve três fiscais que analisam a montagem dos palcos e estruturas do carnaval em 14 bairros e duas ilhas de Salvador. Nessa frente são analisados a montagem da estrutura, iluminação, instalação elétrica, grupos geradores e a colocação de sanitários químicos, em um procedimento muito similar ao da vistoria de camarotes.

Outros órgãos também participam da fiscalização do Carnaval, como: o Departamento de Polícia Técnica, Secretaria de Segurança Pública, Polícia Militar, Detran, Secretaria Municipal de Ordem Pública, Corpo de Bombeiros, Secretaria da Fazenda Municipal e Estadual, Secretaria Municipal de Saúde e Prodasal.

 

Fonte: Crea-BA

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.