Avanços marcam os 29 anos da regulamentação das profissões de engenheiro e técnico de Segurança do Trabalho

Hoje, 27 de novembro, é comemorado o Dia do Engenheiro e do Técnico de Segurança do Trabalho

A atividade da Engenharia de Segurança do Trabalho é exclusiva aos profissionais da Engenharia (todas as áreas), da Agronomia e da Arquitetura, mediante curso de especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho. O setor ainda conta com a atuação dos técnicos de Segurança do Trabalho, profissionais que também desenvolvem suas atividades com foco na qualidade de vida do trabalhador.

Essas duas categorias profissionais são reverenciadas com O Dia do Engenheiro e do Técnico de Segurança do Trabalho, em 27 de novembro. A data também marca a comemoração pelo aniversário da Lei nº 7.410, de 1985, que regulamenta as profissões.

Fazem parte de suas responsabilidades a aplicação dos conhecimentos específicos de segurança e medicina do trabalho, com o objetivo de reduzir ou até eliminar os riscos à saúde do trabalhador, a orientação e o treinamento dos trabalhadores quanto ao cumprimento das normas regulamentadoras da área, o uso e conservação correta dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e a análise dos processos industriais para auxílio na definição da melhor forma de se executar as tarefas com o maior índice de segurança possível.

Engenheiros e técnicos de Segurança do Trabalho dedicam-se, prioritariamente, na prevenção de riscos, com o objetivo de preservar a vida das pessoas. Controlam e fiscalizam sistemas de proteção coletiva e equipamentos de segurança e prevenção contra incêndio e pânico, assegurando qualidade e segurança dos locais de trabalho. Cada um em sua esfera, ainda supervisiona e orienta tecnicamente o serviço em diversos segmentos.

 Avanços

 “As empresas estão preocupadas, os trabalhadores estão preocupados, a sociedade em geral também está mais atenta e nós, da Engenharia de Segurança do Trabalho, nos dedicamos todos os dias para mudar a realidade dos nossos trabalhadores. Mas, infelizmente, o Brasil ainda patina em termos de acidentes do trabalho”, lamenta o presidente da Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho (Anest) e ex-secretário nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho do Ministério do Trabalho (1980-1985), engenheiro mecânico e de Segurança do Trabalho Francisco Machado da Silva.

Ele cita os dados do setor: “No País, morrem, por ano, cerca de 2.300 trabalhadores exercendo suas atividades e, em termos de mutilados, o índice está aumentando, com quase 70 mil trabalhadores acidentados por ano. As falhas são generalizadas. Há falha em nível de governo e em nível das empresas e dos trabalhadores. A cultura prevencionista é uma cultura de educação e, no Brasil, ainda não a temos”, enfatiza.

Apesar dos números ainda alarmantes, a área de Segurança do Trabalho teve avanços significativos na última década, principalmente no âmbito do mercado de trabalho. O coordenador nacional das Câmaras Especializadas de Engenharia de Segurança do Trabalho do Confea, engenheiro de Segurança do Trabalho Nelson Agostinho Burille, elenca os fatores que impulsionaram esse crescimento: “As empresas estão se preocupando um pouco mais com as condições de trabalho de seus empregados; também houve, ainda que pequeno, um aumento na conscientização dos trabalhadores por melhores condições de trabalho; cresceu o número de ações na justiça referentes às doenças e acidentes de trabalho, com um aumento, também, na condenação das empresas que foram obrigadas a pagar altas indenizações; a adoção de legislações mais rígidas por parte do governo; e, embora precária, a fiscalização também aumentou”. Burille acredita, ainda, que o fato de a Engenharia de Segurança do Trabalho ser a única pós-graduação reconhecida por lei com atribuições específicas, também tenha aquecido o mercado de trabalho na área. Além disso, a criação, há cinco anos, das Câmaras Especializadas no assunto também fortaleceu a área da Segurança do Trabalho.


Francisco Machado: comemoração em dobro pelos 30 anos da Anest e pelo Dia do Engenheiro e do Técnico de Segurança do Trabalho

Para o presidente da Anest, o momento é de comemorar. “Nossa Associação (Anest) completou 30 anos ontem (26 de novembro) e pelo dia de hoje, nosso dia, temos muito a comemorar. Seja a outorga da Lei que regulamentou nossa profissão, seja pela nossa conquista do Marco Regulatório Nacional da Engenharia de Segurança do Trabalho, que nos dá um norte para os próximos 10 anos. Essa normatização, que foi uma luta da Anest e da Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança (Sobes), é única no mundo”, destaca Machado.

Criado em 2012 por diversas entidades prevencionistas, a partir da tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria (RS), quando mais de 240 jovens morreram vítimas de um incêndio na boate Kiss, o Marco Regulatório da Engenharia de Segurança do Trabalho deve ser implantado até 2022, com 27 ações estabelecidas, visando disseminar a cultura da prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho no país.


“Em nome da Coordenadoria Nacional de Câmaras Especializadas de Segurança do Trabalho parabenizo todos os profissionais da área. Deixo a mensagem para que cada um deles procure fazer um pouco em prol de todos: das entidades do Sistema e dos profissionais”, diz Burille

 

 

Fonte: Acme/Mútua

Fotos: Arquivo Mútua

Compartilhe essa postagem:

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.